fbpx
JornalCana

Portos do Paraná esperam movimentar 42,5 milhões de toneladas de fertilizantes em 2023

O mercado do segmento no Brasil está apostando em um cenário otimista para os próximos meses

Porto (Foto Claudio Neves – Portos do Paraná)

Os Portos de Paranaguá e Antonina, principais portas de entrada de fertilizantes no Brasil, preveem movimentar 42,5 milhões de toneladas do produto em 2023, um aumento de, aproximadamente, 3,5% nas importações em comparação com 2022.

O mercado de fertilizantes no Brasil está apostando em um cenário otimista para os próximos meses.

Durante o Simpósio Sindiadubos NPK 2023, que aconteceu no dia 26 de outubro em Curitiba, foi apresentada a projeção de que o Brasil deverá importar no acumulado de janeiro a dezembro deste ano até 44 milhões de toneladas de fertilizantes.

Em 2022, foram importados no mesmo período 34.606 milhões de toneladas.

LEIA MAIS > Usina Diana reduz custos elevando ciclo de concentração das caldeiras e recuperando o condensado

Para a produção, a expectativa é de 6.761 milhões de toneladas, um volume abaixo do que foi produzido no ano passado, que foi de 7.450 milhões de toneladas e mantém o país na dependência do insumo. O Brasil está entre os maiores consumidores do produto no mundo, com aproximadamente 85% do produto utilizado nas lavouras.

Segundo o presidente do Sindicato dos Distribuidores de Adubos do Brasil (Sindiadubos), Aluísio Schwartz Teixeira, apesar do atraso nas compras por parte dos agricultores, o volume de entregas de fertilizantes no país em 2023 deve superar o ano anterior.

“Não alcançaremos os níveis de 2021, mas acreditamos que as importações continuarão a se fortalecer, apesar dos desafios do mercado, como flutuações de preços, condições climáticas e a concorrência entre portos”, afirma Teixeira.

LEIA MAIS > Usina Água Bonita homenageia herdeiros que impulsionaram desenvolvimento

Porto (Foto Claudio Neves – Portos do Paraná)

Em meio a filas de navios à espera de descarregamento nos portos e ao aumento de demurrage, empresas do setor têm buscado soluções e investido para atender à crescente demanda do mercado.

Segundo Valdecio Bombonatto, CEO do Grupo FTSpar, player que está consolidando sua atuação na importação e movimentação de fertilizantes pelos portos do Paraná, o diferencial está no atendimento abrangente de toda a cadeia logística, incluindo agenciamento marítimo de embarcações, operações portuárias de descarga, armazenamento, envase e transporte de fertilizantes.

“Hoje, atuamos na importação e exportação de produtos de “porto a porta”, ou seja, conectamos toda a cadeia logística do agronegócio no Brasil, o que proporciona vantagens econômicas e operacionais para os clientes”, afirma Bombonatto.

LEIA MAIS > IrricaNor, o maior evento de irrigação e fertirrigação do Nordeste, está chegando!

Porto de Antonina

O Porto Ponta do Félix, em Antonina, também está no caminho do crescimento em 2023. A empresa prevê superar o volume de importações de fertilizantes nitrogenados, fosfatados e potássio em comparação com o ano anterior. Até a primeira quinzena de outubro, já passaram pelo terminal 706.399 toneladas de fertilizantes, em comparação com as 874.131 toneladas do mesmo período de 2022. O mês de setembro registrou um crescimento de 124%, com 119.260 toneladas, contra 53.125 do mesmo período do ano passado.

O terminal está trabalhando para expandir em 78% a área de armazenagem do produto em 2024, com a capacidade estática estimada em 460 mil toneladas atualmente, que deve aumentar para 520 mil toneladas nos próximos meses. O entreposto aduaneiro é um dos diferenciais competitivos do terminal, proporcionando maior flexibilidade em negociações comerciais e agilidade nas operações portuárias.

LEIA MAIS > ORPLANA e UNICA anunciam acordo para revisão do Consecana-SP

De acordo com o diretor-presidente do Porto da Ponta do Félix, Gilberto Birkhan, 2023 foi ano de desafios e consolidar investimentos em infraestrutura (armazenagem) para atender a demanda crescente dos clientes.

“A expectativa para 2024 é de crescimento e ainda expansão na infraestrutura do Porto de Antonina para atrair novas cargas e novos clientes. Temos convicção que estamos em ciclos positivos. A integração com outros serviços do grupo FTS agrega um valor significativo para nossos clientes e certamente celebraremos mais um ano de bons resultados”, enfatiza Birkhan.

Esse crescimento é uma resposta positiva após um ano de queda nas importações, impulsionada pelos altos preços no ano anterior, que resultaram em uma redução da demanda por parte dos agricultores.

 

 

 

 

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
X
Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram