JornalCana

Com adoção da agricultura regenerativa, produtor de Batatais – SP aumenta produtividade e eficiência em suas lavouras de cana

A Biotecnologia mostrou-se extremamente eficaz na melhoria da saúde do solo e no desenvolvimento do canavial

Aziz Rassi, produtor de Batatais – SP, segurando uma parte de solo da área tratada com a Biotecnologia Microgeo®.

Há mais de 25 anos no ramo agrícola, o produtor Aziz Rassi, da propriedade Sítio Santa Rosa, localizada em Batatais, no interior de São Paulo, conseguiu revolucionar a produção de cana-de-açúcar em sua fazenda após aderir em seu manejo a Biotecnologia Microgeo®.

Com uma área total cultivada de 1050 hectares, sendo a maioria destinada ao cultivo de cana, Rassi enfrentava um desafio constante: baixa produtividade. Porém, desde que adotou a Biotecnologia Microgeo®, tudo mudou.

“Todo o nosso equipamento é muito tecnificado, porém a gente não conseguia ultrapassar os três dígitos de produtividade. Quando conhecemos a Microgeo e entendemos que a vida do solo é tão importante quanto a adubação, tão importante quanto a própria vida da cana, foi quando tudo começou a melhorar”, disse Rassi.

LEIA MAIS > BNDES anuncia mais R$ 3 bilhões para crédito pelo Plano Safra

A Biotecnologia mostrou-se extremamente eficaz na melhoria da saúde do solo e no desenvolvimento do canavial. Mesmo durante o inverno, quando as canas geralmente ficam secas e prejudicadas, a produção de Rassi se destacava pela sua coloração verde e por brotarem primeiro do que os vizinhos. Os especialistas que visitavam sua propriedade sempre se impressionavam com a resistência e vitalidade das canas de Rassi, mesmo em períodos de estresse para a cultura. “É impressionante. Não importa a empresa que vem aqui, se é o agrônomo da cooperativa, se é o RTV de alguma empresa de produto químico, eles sempre identificam que a nossa cana está sempre menos estressada”, contou o produtor.

Rassi detalhou que um dos principais desafios enfrentados na plantação de cana é a compactação do solo, devido ao uso de maquinário pesado, como colheitadeiras e tratores. No entanto, com o equilíbrio do microbioma do solo, através da solução biológica produzida com o Microgeo®, esse problema foi resolvido surpreendendo o agricultor com resultados incríveis. “É uma coisa assim, inimaginável, a gente não tinha como acreditar, foi uma surpresa muito grande. E quando a gente viu isso, que o resultado veio para a parte química do solo, melhorando a eficiência de uso de adubo, melhorando a disponibilidade de fósforo, impressionou demais”, comemorou.

LEIA MAIS > Venda de etanol hidratado pelos produtores ultrapassa 1,9 bilhão em dezembro

A diferença mais significativa observada nas áreas de cultivo com a Biotecnologia foi o aumento na produtividade. “Geralmente quando você aplica um produto que acaba elevando muito o TCH (Tonelada de Cana por Hectare) você acaba baixando o ATR (Açúcares Redutores Totais). E a Biotecnologia Microgeo® não faz isso. Ele mantém e até eleva a quantidade de açúcar e aumenta bastante a produtividade”, contou.

O Coordenador de Desenvolvimento de Mercado da Microgeo, Marco Antonio Farias, acompanha a área desde 2020 e complementa: “A média das últimas 4 safras foi de 17 TCH por safra, considerando duas safras de colheita real e duas safras com avaliação da biometria na área com aplicação da Biotecnologia”.

Para comprovar a eficácia da tecnologia, Rassi participa de um projeto de pesquisa da Embrapa Meio Ambiente, de Jaguariúna/SP, onde foram realizadas comparações entre áreas com e sem a aplicação do produto. O resultado das análises das enzimas presentes no solo revelou diferenças significativas entre as áreas, com um aumento de 40% das enzimas nas áreas tratadas com a Biotecnologia Microgeo®. Isso evidencia a importância de equilibrar o microbioma do solo para aumentar a produtividade.

LEIA MAIS > Em MG: Lei cria a política estadual de incentivo ao consumo do etanol

O sucesso alcançado pelo produtor vem chamando a atenção não apenas de seus vizinhos e colegas agricultores, mas também de grandes empresas do setor sucroenergético. A qualidade e vitalidade de sua cana são motivo de destaque, levando muitos a procurarem por informações sobre o produto em sua propriedade. Rassi tem compartilhado seus conhecimentos e experiências com outros agricultores, promovendo assim o desenvolvimento e crescimento da agricultura sustentável.

“A gente tá sempre trocando informação, sempre comentando o que eu tô usando e muita gente já veio até conhecer a Bioestação. Já tive amigos que vieram pegar produto para fazer teste, o pessoal tá interessado”, contou Rassi.

O produtor disse ainda que já tem planos de instalar uma nova Bioestação em uma propriedade no município de Jardinópolis (SP) e concluiu: “Todas as empresas que estão caminhando de forma séria estão olhando pro lado biológico e também só assim estão conseguindo produzir mais. Temos que pensar em sustentabilidade, pensar no futuro, pensar nos nossos filhos, pensar no planeta que a gente vai deixar. Usar produtos sim, mas da melhor forma possível e o biológico está aí pra ficar e otimizar cada vez mais a nossa produtividade”, finalizou.

Confira o depoimento do produtor Aziz Rassi em vídeo, acessando o QRCode abaixo:

Esta matéria faz parte da edição 348 do JornalCana.

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
X
Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram