Usinas

AFCP busca Semas e CPRH em busca do licenciamento ambiental da cana em PE

Entidade defende os encaminhamentos para garantir o licenciamento da atividade agrícola,

AFCP busca Semas e CPRH em busca do licenciamento ambiental da cana em PE

A Associação dos Fornecedores de Cana (AFCP) se reuniu com a secretária de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco (Semas), Ana Luiza, há quinta-feira (2), a fim de continuar promovendo os resultados socioeconômicos para o Estado através da produção de cana e de modo ambientalmente correto.

Com a presença do presidente da CPRH, Anchieta Santos, a entidade defendeu os encaminhamentos para garantir o licenciamento da atividade agrícola, em específico do plantio de cana dos 8 mil associados da AFCP.

Pedro Ermírio, superintendente do Banco do Nordeste, participou do encontro. A instituição bancária aguarda inclusive tais trâmites para poder garantir os investimentos nos canaviais dos associados da AFCP. A liberação de financiamentos precisa atender tais requisitos ambientais.

LEIA MAIS > MasterCana Nordeste 2023 será realizado no dia 27 de abril

A Semas e a CPRH estão buscando agilizar este processo. A secretaria e o presidente, respectivamente, estão empenhados em formatar meios onde facilitem a metodologia de enquadramento da atividade canavieira no Estado.

“A iniciativa tem buscado instrumentos de comando e controles ambientais vigentes com o objetivo de que cada canavieiro atenda a requisitos legais e assim a exigências junto ao BNB e aos demais bancos no momento dos empréstimos”, diz Jeruza Cavalcanti, assessora ambiental da AFCP.

LEIA MAIS >Ministério libera rodotrens de 91 toneladas e 11 eixos

Alexandre Andrade Lima, presidente da AFCP, defendeu o licenciamento simplificado para a cana-de-açúcar por parte desses órgãos ambientais.

Ele lembrou da realidade do setor, em especial a elevada distribuição espacial das propriedades dentro do estado, na Zona da Mata norte e sul, como também da dificuldade pelo grande quantitativo de fornecedores de cana em realizar o licenciamento ambiental, diante das dificuldades de isolamento das propriedades rurais e os mesmos terem que se deslocar a locais onde possa realizar o mesmo.

“Nossa atividade canavieira, uma das principais do PIB de Pernambuco, aguarda o licenciamento ambiental e as formas de simplificação o quanto antes”, reforçou Paulo Tapety, vice-presidente e diretor técnico da AFCP.

Banner Revistas Mobile