fbpx

Vender eletricidade de biomassa sem contrato remunera mais, diz especialista

MWh no spot chegou a R$ 500 em 2018

Walter Di Mastrogirolamo, gerente industrial da Cerradinho BIO, durante apresentação no evento da ProCana Sinatub

Vender eletricidade produzida pela biomassa da cana-de-açúcar remunera mais sem contratação. Ou seja, é melhor vender no mercado spot.

Em Goiás, ao longo de 2018, o megawatt-hora (MWh) no spot chegou a R$ 500.

“O valor representa o dobro do MWh vendido em contrato”, destaca Walter Di Mastrogirolamo, gerente industrial da Cerradinho BIO.

Segundo ele, na média o MWh dos contratos de compra em leilões fica em R$ 250.

Di Mastrogirolamo apresentou sua avaliação durante palestra com o tema Estratégias para Geração de ‘Energias’ a Partir do Bagaço e Outras Biomassas.

Apresentada na manhã desta quarta-feira (25/09), a palestra integra a programação do primeiro dia do 17º SINATUB CALDEIRAS, VAPOR E ENERGIA.

Promovido pela ProCana, o evento prossegue até nesta quinta-feira (26/09) em Ribeirão Preto.

 

Clique aqui para mais informações sobre o Curso

“Vantajoso, embora sazonal”

Segundo o gerente da Cerradinho BIO, “o mercado spot é vantajoso, embora sazonal.”

Nos últimos oito anos, explicou, em seis deles valeu a pena ficar descontratado. “Isso porque o preço da energia ficou lá em cima”, ponderou.

O mercado spot atrai cada vez mais geradores de energia pela biomassa.

Levantamento da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), do Ministério de Minas e Energia (MME), foi mencionado pelo executivo em sua palestra.

Conforme o estudo, 69% da geração de fonte de biomassa de 2018 ficou no Ambiente de Contratação Livre, ou mercado aberto.

 

Leia também: 

6 fatores que afetam a eficiência da caldeira

 

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

19 − sete =

X