fbpx

Usinas poderão criar agentes para vender hidratado

Novidade está em estudos pela ANP

Foto: Divulgação/ANP

O setor sucroenergético deve ganhar nos próximos meses um novo personagem. Trata-se do agente de comercialização de etanol hidratado.

Em linhas gerais, seria um distribuidor de biocombustível criado pelas usinas.

O nome desse personagem, entretanto, está em fase de definição pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O agente de comercialização ganhou ‘vida’ na quinta-feira (23/01).

Foi durante reunião em Brasília convocada pela secretária de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia (MME), Renata Becker Isfer.

O tema da reunião foi a proposta de venda direta do etanol hidratado pelas usinas.

Esse tema ganhou escala nacional e o presidente da República, Jair Bolsonaro, pediu ao MME que reunisse os vários atores integrados no assunto.

Antonio de Padua Rodrigues, diretor técnico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), participou da reunião ao lado do presidente da entidade, Evandro Gussi.

Em entrevista ao JornalCana, Padua destaca sobre a criação do agente comercializador e quais as visões da UNICA a respeito dessa novidade.

Além da UNICA, quem mais participou da reunião promovida pelo MME?

Antonio de Padua Rodrigues – Participaram representantes do Ministério da Economia e da Receita Federal.

Do lado do setor, entre outros estavam presentes André Rocha (presidente do Fórum Nacional Sucroenergético e do Sifaeg), Pedro Robério (Sindaçúcar-AL), Renato Cunha (Sindaçúcar-PE) e Mário Campos (Siamig).

A proposta de venda direta de hidratado foi o tema principal do encontro. Ela faz parte de projetos em tramitação no Senado e na Câmara Federal e divide o setor.

Do lado da tributação, como a proposta é administrada?

Padua – Do lado da Receita Federal, a questão da monofasia (tributação concentrada) é antiga.

A Receita quer trazer integralmente a carga (de PIS/Cofins) para o produtor. Há concorrência desleal entre os que pagam os tributos e os que não pagam.

Nós produtores declaramos toda a venda de hidratado. A distribuidora também deve declarar esse volume para a ANP. Mas a Receita não consegue cobrar o valor do PIS/Cofins.

Então a venda direta seria uma solução para concentrar a cobrança nos produtores.

Padua – Sim, porque o produtor tem mais ativos, patrimônio.

O assunto da monofasia voltou à tona agora por conta da venda direta. Ganhou força.

Além dos produtores, os postos não poderiam assumir a monofasia?

Padua – O Tesouro não quer perder tributo. A cobrança será feita do produtor ou dos postos. Mas é difícil cobrar de 41 mil postos existentes no País. É preferível que a carga venha ao produtor.

Por isso o tema da venda direta gera divisão?

Padua – Os produtores do Nordeste do País apoiam a venda direta, mas não querem a monofasia.

O setor regional defende que a venda direta é voluntária, por isso quem não quiser vender direto segue no modelo dual, no qual é mantida a técnica de repartição do recolhimento entre produtor e distribuidor.

Como deve ficar?

Padua – Se houver mudança tributária, terá de ocorrer por meio de Medida Provisória (MP) do Governo. Mas a ANP estuda a criação de um novo agente de comercialização e sistema de PIS-Cofins.

Um novo tipo de distribuidor?

Padua – Terá novo nome. Não há nome claro. Teria o produtor que de um lado produz com CNPJ, que vende com segundo CNPJ.

Mas sem toda exigência de hoje, com capital social inferior.

Que mais prevê a criação desse agente?

Padua – A tancagem já existe porque a usina já possui.

A ANP conversa com agentes, produtores. Mas continuaria como é hoje, com o produtor recolhendo PIS/Cofins pelo seu CNPJ.

 

Impactos no RenovaBio

 

Esse novo personagem afeta o RenovaBio?

Padua – O importante nesse processo é não altera o RenovaBio. Isso porque essa ‘distribuidora’ não tem obrigação de comprar créditos de descarbonização (CBIOS [porque não vende combustíveis fósseis].

Mas ao vender por meio desse agente, a usina terá direito de emitir CBIOs.

Preserva o sistema tributário atual, não traz mudança.

A UNICA apoia a criação desse agente?

Padua – A UNICA apoia e não só ela.

A UNICA não quer dois sistemas tributários (monofasia e dual) porque pode trazer grande desequilíbrio na distribuição.

A entidade tem posição contra a monofasia.

O novo agente de comercialização dá viabilidade ao produtor, com facilidades.

Há data para que o agente de comercialização entre em vigor?

Padua – A ANP deve definir até o fim de junho próximo, com nova legislação no lugar da resolução 43.

A alternativa da ANP é o mercado regulado. Não entra na questão da monofasia, quer integrar o novo agente dentro das regras.

Já o Governo tem o Congresso e precisa resolver monofasia e a venda direta.

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

dois − 1 =

X