fbpx

EXCLUSIVO: Usinas do Centro-Sul iniciarão a moagem 2020/21 dentro do prazo?

Estudo realizado pela ProCana Brasil em parceria com o Gerhai traz a resposta

O avanço do coronavírus no mundo gera incertezas e uma delas se refere ao início da safra de cana-de-açúcar 2020/21, na região Centro-Sul do Brasil, que tem data oficial para começar em 1º de abril.

LEIA MAIS > Unica indica que 198 usinas estarão em operação na Região Centro-Sul até 15 de abril

Embora a paralisação imposta como medida de segurança à disseminação da COVID-19 seja apontada como um empecilho para a largada da nova temporada, levantamento feito pelo ProCana Brasil e o Grupo de Estudos em Recursos Humanos na Agroindústria (Gerhai) com mais de 100 unidades do Centro-Sul do País, mostra que a operação segue conforme programado, sendo que muitas usinas já iniciaram o processamento da cana.

LEIA MAIS >  ESPECIAL: O SETOR CONTRA O CORONAVÍRUS

O estudo aponta que 10% das unidades já aqueceram as moendas, iniciando o ciclo no final de fevereiro e ao longo de março, sendo que a maior parte delas irá dar o start na operação nas primeiras semanas de abril. Unidades como a Barralcool, Bevap, Cerradão, Clealco – Queiroz, Denusa, Jalles Machado, Moreno, Nardini, Pedra Agroindl, Pitangueiras, Santa Adélia, São Martinho, Raízen, Tereos, Baldin, entre outras, estão neste grupo. Já unidades como Grupo Farias e GVO, iniciarão a produção em maio.

“As usinas pesquisadas, em sua maioria, já estão moendo dentro da sua capacidade instalada ou projetam crescimento no volume de cana a ser moída nesta safra, portanto possuem pouca margem de manobra para não deixar cana bisada para a próxima safra”, afirma Josias Messias, presidente da ProCana Brasil.

LEIA MAIS > Empreendimentos de R$ 2,3 bilhões são contemplados por dêbentures incentivadas

Josias destaca que a pesquisa revelou que as usinas pretendem manter a data prevista por duas razões. “A primeira é manter o cronograma necessário para moer todo o volume de matéria-prima projetado, em sua maioria com um pequeno crescimento”, diz.

Já a segunda, segundo ele, é que, apesar das várias medidas que as usinas estão tomando para mitigar os impactos da COVID-19, “as empresas demonstraram preocupação com as eventuais consequências da pandemia no andamento da safra, tais como restrições de locomoção, afastamentos por conta da doença e no suprimento de insumos fundamentais para a produção, como cal, enxofre e produtos utilizados no tratamento de água e fermentação. E a grande maioria preferiu a estratégia de manter o início da moagem como previsto, ou até antecipá-lo, visando manter um fôlego para mitigar eventuais paradas ou perdas nos próximos meses”, afirmou.

 SAFRA 2020/21 USINAS C/S – INÍCIO DE MOAGEM
EMPRESA DATA/PREVISÃO
Cerradinho Bio 01/02/2020
Energética Santa Helena (MS) 29/02/2020
Dacalda 01/03/2020
Pedra Agroindl – Unidade IPÊ 02/03/2020
Batatais 03/03/2020
GVO – Catanduva 05/03/2020
Coruripe – Iturama 09/03/2020
Coruripe – Carneirinho 09/03/2020
Ferrari 10/03/2020
São Domingos 15/03/2020
Diana 16/03/2020
Coruripe – Campo Florido 17/03/2020
BioAroeira 17/03/2020
Tereos – Tanabi já iniciou
Alcoeste 23/03/2020
Cocal – Narandiba 23/03/2020
Cocal – Paraguaçu Paulista 23/03/2020
Colombo – Ariranha 23/03/2020
Colombo – Palestina 23/03/2020
Ipiranga Agroindl – Iacanga 23/03/2020
Moreno – Luiz Antonio 23/03/2020
SJC Bioenergia – URD 23/03/2020
Tietê Agro – Paraíso 23/03/2020
Tonielo – Santa Inês 23/03/2020
Cevasa 26/03/2020
Santa Adélia – Pereira Barreto 26/03/2020
SJC Bioenergia – USF 27/03/2020
Virálcool – Castilho 27/03/2020
Alta Mogiana 30/03/2020
Virálcool – Pitangueiras 30/03/2020
Tereos – demais 05 unidades 30/03 à 03/04
Clealco – Queiroz 01/04/2020
Colombo – Santa Albertina 01/04/2020
Da Mata 01/04/2020
Pedra Agroindl – Buriti 01/04/2020
Pedra Agroindl – Serrana 01/04/2020
Moreno – Monte Aprazível 01/04/2020
Nardini 01/04/2020
Santa Adélia – Jaboticabal 01/04/2020
Santa Adélia – Pioneiros 01/04/2020
Santa Fé 01/04/2020
São José da Estiva 01/04/2020
São Martinho – Boa Vista 01/04/2020
São Martinho – Iracema 01/04/2020
São Martinho – Pradopolis 01/04/2020
São Martinho – Santa Cruz 01/04/2020
Tereos – Vertente 01/04/2020
Renuka – Madhi 02/04/2020
Baldin 1ª sem. Abril
Ibéria 1ª sem. Abril
Água Bonita 06/04/2020
Cerradão 06/04/2020
Jacarezinho 06/04/2020
UISA – Itamarati 06/04/2020
Coruripe – Limeira Oeste 06/04/2020
Jalles Machado – JM 07/04/2020
Jalles Machado – UOL 07/04/2020
USA Balbo 07/04/2020
Guaíra (UAG) 08/04/2020
GVO – Monções 10/04/2020
Moreno – Coplasa 10/04/2020
Bambuí (MG) 13/04/2020
Bazan 13/04/2020
Bevap 13/04/2020
Santa Isabel 13/04/2020
Colorado – Guaíra 14/04/2020
Colorado – Morrinhos 14/04/2020
CRV Agro Industrial – CRV-GO 14/04/2020
Zambianco meados de abril
Denusa 15/04/2020
Glencane – Nova Unialco 15/04/2020
Vale do Paraná 15/04/2020
Pitangueiras 16/04/2020
Glencane – Rio Vermelho 21/04/2020
CRV Agro Industrial – Rubiataba 23/04/2020
Barralcool 24/04/2020
Rio Pardo 27/04/2020
RAÍZEN – 24 unidades 2ª  quinzena abril
GVO – José Bonifacio fins de abril
CRV Agro Industrial – Uruaçu 04/05/2020
Grupo Farias – Anicuns 10/05/2020
Grupo Farias – Itapaci 10/05/2020
Clealco – Clementina 20/05/2020
GVO – Itapira jun/20
Bunge – Todas Unidades Dentro Previsto
Carolo Dentro Previsto
Coruripe Dentro Previsto
Goianésia (GO) Dentro Previsto
USJ Araras Dentro Previsto
Vista Alegre (SP) Dentro Previsto
Zilor – 3 Unidades Dentro Previsto

 

SAFRA 2020/21 USINAS N/NE – INÍCIO DE MOAGEM
EMPRESA DATA/PREVISÃO
AgroSerra início de maio
Pagrisa início de maio
Olho D’Água 01/06/2020

 

Já foi dada a largada para início da safra

A Usina Batatais foi uma das primeiras unidades a começar o processamento da cana. Com previsão de moer 4,150 milhões de toneladas, produzir 5,5 milhões de sacas de açúcar de 50 kg e aproximadamente 168 milhões de litros de etanol, nesta temporada, a usina deu início à sua safra no dia 3 de março, com previsão de terminar em 18 de dezembro desde ano.

A companhia, que recebeu a certificação do RenovaBio no último dia 13 de março, divulgou o investimento de R$ 158 milhões em manutenções agrícolas e industriais, tratos e renovação de canavial para garantir a alta performance dos seus processos produtivos.

Fórum Sucroenergético Nacional traz expectativas positivas
Rocha, presidente do Fórum Sucroenergético Nacional, acredita que a safra seguirá sem atrasos

Para André Rocha, presidente do Fórum Sucroenergético Nacional, que tem mais de 250 unidades associadas , as expectativas em relação à safra 2020/2021 ainda continuam positivas e, por enquanto, não há indícios de que haja adiamento das atividades nas usinas.

 

 

“Acredito que a safra não atrasará, a princípio, a não ser que tenha alguma dificuldade em função dessas quarentenas que estão sendo impostas. A produção de combustíveis foi tratada pelo Governo Federal como atividade essencial, não deve paralisar, ainda mais porque produzimos também alimentos, o açúcar e a energia”, disse.

LEIA MAIS > Saiba as projeções da Datagro para a safra 20/21

Rocha ressaltou que possa haver alguma diferença de produtividade em função de medidas sanitárias para a prevenção contra o vírus, com adequações de layouts, logística, etc, “Essas medidas podem causar um impacto, com algumas unidades contando com menos colaboradores trabalhando em função de algumas restrições, mas é muito difícil dimensionar isso até que a gente veja a extensão desse período de restrição”, alertou.

LEIA MAIS > Incertezas no mercado sustentam mix açucareiro na safra 2020/21

O executivo ressaltou ainda que as usinas, em um ato de solidariedade com o período tenso provocado pela pandemia do coronavírus, estão colaborando com a doação de mais de um milhão de álcool 70% a serem usados na rede pública de saúde e também asilos, presídios e unidade social educativa.

Impactos no preço do etanol

Um dos impactos já observados neste momento é em relação ao preço do etanol, que vem caindo nos últimos dias. A queda do valor do barril de petróleo e a influência indireta do isolamento solicitado para tentar conter o avanço da COVID – 19 são os motivos apontados por Rocha. “Tivemos uma queda no consumo devido à paralisação de muitas atividades e isso influência no preço, que já teve queda de 25% desde o início do ano”, comentou.

LEIA MAIS > Usina Lins projeta moagem 29% maior na safra 2020/21

Segundo ele, essa é uma questão muito preocupante: a queda diária dos preços. “Ao começar a safra teremos uma maior oferta ao mesmo tempo uma redução abrupta no consumo. Isso vai fazer com que muitas empresas repensem a sua estratégia de safra, o que pode levar até a uma redução da safra sobretudo para aquelas empresas que só fazem etanol. Para quem faz açúcar, além da questão de cumprimento de contratos, muitas unidades já tinham travado os preços, então têm uma situação um pouco menos desfavorável, neste momento”, elucida.

LEIA MAIS > Produção de etanol na 20/21 deve cair em até 24%, estima Pecege

Rui: usinas tomam medidas assertivas contra o COVID-19

Para José Darciso Rui, Diretor Executivo do Grupo de Estudos de Recursos Humanos na Agroindústria (Gerhai), o colapso do petróleo, com o sobe e desce de preços, poderá sim, a curto prazo, prejudicar ainda mais os preços do etanol. “Já enxergamos nas bombas de postos de combustíveis uma retração nos preços. É aguardar para ver o que irá acontecer após o início da safra no Centro-Sul e avaliar o impacto da oferta e da procura. A procura, certamente, será bem menor que os últimos meses em razão da nossa quarentena e a oferta bem maior em razão da produção do etanol em larga escala, já que pelo que vemos será mais uma safra com mix de produção voltado para o etanol”, observou.

Para o consultor, as ações orientativas e prevencionistas, como palestras, comunicação sobre o vírus, distribuição de álcool gel nas frentes de trabalho, suspensão de algumas atividades não essenciais, acompanhamento do SESMT, trabalho home office quando pertinente, entre tantas outras medidas só vem a mitigar o problema.

“Temos acompanhado as medidas preventivas que as usinas têm tomado para conter esta crise provocada pela COVID -19 e vejo com muita satisfação e contentamento o desempenho dos profissionais de Recursos Humanos do setor”, afirmou.

De acordo com Rui, as ações contribuirão para uma safra com menor número de problemas e menos traumática, “visto que é quase impossível suspender ou adiar a safra da cana-de-açúcar. Assim, a maior contribuição dos profissionais de RH, incluindo aí, Saúde Ocupacional é conduzir este processo com muita persistência, maturidade, bom senso e cumpridor das diretrizes governamentais e empresariais”, concluiu.

 

 

 

 

 

 

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

Comentários
Carregando...
X