fbpx

SJC Bioenergia encerra safra com 47 recordes de produção e 11 de segurança

Companhia segue safra produzindo etanol de milho

SJC tem duas unidades em Goiás: a Usina Rio Dourado, em Cachoeira Dourada e Usina São Francisco, em Quirinópolis

A SJC Bioenergia, com duas unidades em Goiás, encerrou a moagem de cana neste ciclo no dia 9 de novembro, concluindo uma etapa de seu processo.

A companhia segue a Safra da Transformação, como intitularam a temporada, com a moagem de milho até o dia 31 de março de 2021, quando então terá a moagem em cana equivalente no total de 9,5 milhões de toneladas.

“Esse volume nos dará uma produção de 320.776 toneladas de açúcar, 269.810 m³ de etanol anidro, 307.128 m³ de etanol hidratado, 569.940 m³ de etanol total, 686.861 MWh de energia produzida e 432.459 MWh de energia exportada”, afirma Abel Uchoa, diretor geral da companhia.

LEIA MAIS > Sabrina, da Raízen, revela como garantir a qualidade do açúcar mantendo o esgotamento

Ainda de acordo com o executivo, na safra de cana a empresa, até agora, já conquistou 47 recordes de produção e 11 de segurança, como o recorde histórico da Usina São Francisco (USF), que alcançou 96,64% de disponibilidade industrial e da Usina Rio Dourado (URD), que também teve recorde histórico de 98,9% de disponibilidade industrial durante a temporada.

“Isso revela grande comprometimento e conscientização de cada funcionário e de suas equipes. Marcas que reforçam os excelentes resultados que estão sendo construídos nesta Safra da Transformação”, ressaltou o diretor.

Esse é o compromisso que a empresa quer manter durante a entressafra, garantindo as condições para o sucesso e bom desempenho da próxima safra, rumo à consolidação das conquistas alcançadas nestes dez anos da SJC.

SAIBA MAIS >

Recordes marcam início da safra da SJC Bioenergia

SJC Bioenergia comemora nove anos

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

15 − seis =

X