fbpx

Setor terá agenda estratégica de inovação coordenada pela Embrapa

Objetivo é que o documento seja divulgado ainda em 2020

A Embrapa Agroenergia irá coordenar a elaboração de uma agenda estratégica de inovação para a cadeia produtiva do açúcar e do álcool.

A estratégia para a construção da agenda e seus impactos esperados foi apresentada por Alexandre Alonso, chefe-geral da unidade, no dia 10 de setembro, durante reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Açúcar e do Álcool (CSAA), fórum de discussão ligado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

“A inovação é e sempre será um fator de diferenciação e competitividade de países, setores e indústrias”, afirma Alonso. Isso foi destacado em uma pesquisa recente feita pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) que mostrou que 83% das empresas acreditam precisar de inovação para garantir crescimento e sustentabilidade de seus negócios, principalmente no período de pós-pandemia de Covid-19 que se avizinha.

“Reconhecemos que a pesquisa, o desenvolvimento de novas tecnologias e a inovação são áreas estratégicas para os setores de açúcar, etanol e bioenergia no País”, disse Alexandre Andrade Lima presidente da CSAA.

LEIA MAIS > Quanta cana de fornecedores as usinas estão usando atualmente

A proposta inicial é criar um planejamento estratégico para a promoção da inovação nos setores de açúcar e álcool por meio da análise de oportunidades e desafios (diagnóstico do setor), definição de metas e ações estratégicas a serem realizadas em curto, médio e longo prazo.

“A proposta é que a agenda sirva de guia para as instituições de ciência, tecnologia e inovação que atuam nos setores de açúcar e etanol. Dessa maneira, cada instituição poderá posteriormente direcionar suas próprias agendas, dentro de seu modelo de negócios, para uma ação coordenada que impulsione o setor como um todo”, afirma Alonso.

A agenda será construída por um grupo de trabalho coordenado pela Embrapa Agroenergia e composto por representantes da Federação dos Plantadores de Cana do Brasil (Feplana), Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento do Setor Sucroenergético (Ridesa), Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), Fórum Nacional Sucroenergético (FNS), Instituto Agronômico de Campinas (IAC), Organização de Associações de Produtores de Cana do Brasil (Orplana), Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), União Nordestina dos Produtores de Cana (Unida), Associação de Produtores de Açúcar, Etanol e Bioenergia (NovaBio) e Associação de Produtores de Bioenergia do Estado do Paraná (Alcopar).

LEIA MAIS >Gestores explicam como reduzir custos do plantio e replantio da cana  

A previsão é de que o documento com todas as propostas seja apresentado à Câmara Setorial para a aprovação ainda em 2020.

Paralelamente, o grupo de trabalho também irá identificar e mobilizar fontes de recursos para a promoção de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) em cana-de-açúcar. “A proposta é apontar qual caminho seguir em termos de PD&I e, uma vez tendo isso claro, mobilizar recursos para efetivamente atender essas demandas e pesquisas”, concluiu Alonso.

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

catorze + 11 =

X