JornalCana

Setor bioenergético pode se beneficiar com a chegada do Fiagro

Confira artigo de André Ito, sócio e gestor da MAV Capital

O Brasil é o maior produtor mundial do complexo sucroalcooleiro e as empresas que atuam por aqui começam a se beneficiar dos novos segmentos de investimentos.

Um exemplo disso são os Fiagros (Fundos de Investimento nas Cadeias Produtivas Agroindustriais), que vem ganhando notoriedade nos últimos meses e podem ser um grande aliado deste setor ao abrir mais uma opção para os agricultores que buscam crédito no mercado para financiar suas produções.

O Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar. Para se ter uma ideia, na safra 2020/21, foi responsável pela produção de 654,5 milhões de toneladas. Deste total, 41,2 milhões de toneladas foram destinadas à produção de açúcar e 29,7 bilhões de litros de etanol, conforme dados do IEA (Instituto de Economia Agrícola).

LEIA MAIS > Biomassa a partir do bagaço de cana representa 60,1% de toda a cogeração existente no país

Para a safra 2021/22, a preocupação do setor está com os custos de produção, impactados pelo aumento no preço do diesel e dos insumos, devido principalmente à guerra da Rússia com a Ucrânia. É neste cenário que o produtor passa a observar fontes alternativas de capital e o Fiagro ganha importância.

O fundo é visto como um benefício principalmente para o produtor que não tem acesso ao mercado de capitais. O fato é que a necessidade de capital para o setor aumentou muito com a alta dos juros, mas os bancos não elevaram tanto o limite de crédito para o agronegócio. O Fiagro aparece como uma importante alternativa de crédito ajudando essa ponta do mercado a se desenvolver.

Criado no ano passado, o Fiagro é uma junção dos recursos de vários investidores para a aplicação em ativos de investimentos do agronegócio, sejam eles de natureza imobiliária rural ou de atividades relacionadas a produção do setor. Cabendo ao administrador do fundo realizar a captação de recursos com os investidores por meio da venda de cotas.

LEIA MAIS > Modelos de veículos eletrificados no Brasil já se aproximam de padrão europeu

No caso do setor bioenergético, as operações são realizadas por usinas capazes de produzir tanto açúcar como etanol ao mesmo tempo. A valorização dos dois produtos nos últimos meses contribui para que este seja uma boa opção para quem quer diversificar os seus investimentos. Lembrando que nos últimos meses a alta no preço do barril do petróleo, impactada especialmente pela guerra entre Rússia e Ucrânia, contribuíram para o bom desempenho do etanol.

Do ponto de vista do retorno, o Fiagro traz uma rentabilidade de CDI + 5% ou 6%, em média e com a característica de que pode ser uma opção de investimento tanto para um perfil mais conservador quanto para os muito arrojados. E aos poucos os investidores começam a perceber os benefícios deste fundo. Já são quase 140 mil investidores, mostrando um crescimento exponencialmente mês a mês. Dados do mais recente Boletim Mensal da B3 (BVMF:B3SA3), que data de outubro, demonstra que o número de CPFs é quase 5 vezes maior que os 30,7 mil registrados no início deste ano.

LEIA MAIS > Bioparques de energia brotam no interior de São Paulo

Com praticamente um ano desde a sua regulamentação pela CVM 39, a B3 já registra 24 fundos e o número deve dobrar em pouco tempo, se considerarmos os mais de 20 Fiagros registrados na CVM em fase pré-operacional. Os Fiagros são uma importante alternativa também para aqueles que buscam diversificar sua carteira no longo prazo, mas é também uma forma nova de captação para boas companhias com faturamento de até R$ 1 bilhão, consideradas pequenas para acessarem o mercado de capitais diretamente.

André Ito, sócio e gestor da MAV Capital

 

 

 

 

 

 

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
X
Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram