fbpx
JornalCana

Roberto Hollanda Filho deixa a Biosul

Principal ação em sua gestão foi colocar MS entre os maiores produtores de cana do país

Em novembro, Roberto Hollanda Filho deixa o cargo de presidente-executivo da Associação dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul (Biosul) entidade que conduziu desde a sua criação em janeiro de 2009.

O executivo partirá para novos desafios em Brasília como diretor-executivo no Fórum Nacional Sucroenergético, que vem a ser a representação nacional do setor.

O Fórum Nacional Sucroenergético – FNS congrega entidades representativas de produtores de etanol, açúcar e bioeletricidade em quinze estados brasileiros. A entidade tem como presidente Mário Campos, do SIAMIG– Minas Gerais, e o vice-presidente é Renato Cunha, do Sindaçúcar, de Pernambuco.

“O nome de Roberto Hollanda Filho fica na história e na boa memória do setor sucroenergético em Mato Grosso do Sul. Estamos seguros que Roberto continuará desempenhando papel importante para o setor, dessa vez em nível nacional”, afirmou Amaury Pekelman, presidente do Conselho Deliberativo da entidade.

“Saio com o coração feliz e com uma ótima sensação de dever cumprido na Biosul. Ao longo desses anos fiz muitos amigos, vivenciei boas histórias, obtive junto a minha equipe resultados expressivos para o setor e desenvolvi um encanto com o Mato Grosso do Sul que será eterno. Agora é hora de encarar os novos desafios que virão com muita motivação e comprometimento”, comentou Roberto Hollanda Filho.

LEIA MAIS > Oferta de etanol deve chegar a 46 bilhões de litros em 2031

A entidade segue com a mesma estrutura de governança, conduzida pelo Conselho Deliberativo, e mantém também a equipe operacional.

Em recente entrevista ao JornalCana, o executivo informou que a safra em Mato Grosso do Sul, desta vez, será diferente. “As unidades se adaptaram às condições climáticas do Estado e passou a ser uma característica MS não ter entressafra, pois sempre tinha uma usina moendo. Este ano, devido à perda com a seca e a geada, acreditamos que a safra acabará mais cedo e teremos entressafra”, explicou.

Segundo Hollanda, das 18 usinas em operação no Estado, 7 haviam encerrado a temporada até o final de outubro. “Inicialmente a nossa estimativa era de 50 milhões de toneladas de cana processadas, mas depois da seca, a previsão é que a produção em MS atinja 45 milhões de toneladas”, disse, ressaltando que o acumulado da safra até a última semana de outubro era de 37 milhões de toneladas, ou seja, 3% abaixo da safra anterior, porém,  o processamento caiu bastante em outubro em comparação com o mesmo período do ciclo anterior.

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
X
Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram