fbpx

Revisão do Consecana é tema de reunião nesta segunda-feira

A revisão do método Consecana é tema de reunião nesta segunda-feira (16/07) na capital paulista. A rediscussão do método ocorre oficialmente a cada cinco anos e as novas regras eram aguardadas para o início da safra de cana-de-açúcar 2018/19.

Conforme fontes do setor sucroenergético, as novas regras ainda são dúvida para a safra atual, que já entra na reta final de moagem na região Centro-Sul do País.

Leia também: Saiba mais sobre as principais inovações e estratégias de diversificação nas usinas

Formado por representantes de produtores de cana, por meio da Organização dos Plantadores de Cana do Centro-Sul do Brasil (Orplana), e da indústria, por meio da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), o Consecana define modelo pelo qual é feito o pagamento da cana-de-açúcar dos produtores.

Esse modelo, que foi adotado pelas regiões canavieiras de todo o Brasil, é questionado por lideranças como representantes da própria Orplana.

Em reunião em 15/06 organizada pela Confederação Nacional da Agricultura (CNA) em Brasília, Gustavo Rattes, vice-presidente da Organização dos Plantadores, foi afirmativo: “os preços que são praticados hoje não refletem a realidade e estão inviabilizando as atividades do produtor.”

“O Consecana é um sistema justo, mas precisa de revisão devido à defasagem dos preços”, emendou Rattes na reunião da CNA.

Por conta da situação, a CNA assumiu o papel de ajudar a encontrar uma solução.

“É interesse da CNA trabalhar junto com as Federações e organizações para mostrar a grave discrepância nos preços pagos ao produtor”, disse na reunião Ênio Fernandes, presidente da Comissão Nacional de Cana-de-Açúcar da Confederação.

Leia também: Entidades preparam novo índice para pagamento da cana

“A CNA não quer substituir nenhum índice que já existe, mas apenas lançar um preço justo, transparente e de credibilidade tanto para o produtor quanto para o mercado”, afirmou ele.

O que está na pauta da reunião

A defasagem do método Consecana será um dos principais temas da reunião desta segunda-feira no prédio da Avenida Brigadeiro Faria Lima, 2.179, no bairro de Pinheiros, na capital paulista. O edifício sedia tanto a estrutura do Consecana quanto da Unica.

Em entrevista ao JornalCana na sexta-feira (13/06), Eduardo Romão, presidente da Orplana, disse que a nova rodada de discussões sobre o Consecana é cercada de expectativas.

Ele, que participará do encontro, não quis entrar em detalhes sobre como está o nível de aceitação das propostas dos produtores.

A defasagem do método de pagamento diante os custos de produção é o principal nó a ser abordado no encontro.

Diante a situação, grupos sucroenergéticos têm empregado estratégias para fidelizar a cana de fornecedores. Há companhias que pagam acima do valor do ATR calculado pelo Consecana e outras se preparam para trabalhar fora do método.

 

 

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

X