fbpx

“Reduzir custo no tratamento do caldo, a qualquer custo, gera prejuízo”, afirma engenheiro químico

Tratamento de caldo eficaz é imprescindível para obter subprodutos de qualidade e rentabilizar mais

Para ser eficaz e resultar na máxima produção de açúcar e etanol que uma usina pode fazer, o tratamento do caldo feito de forma correta, mostra-se imprescindível. “Há uma geração de novos gestores que está em busca de reduzir custos do processo de tratamento do caldo a qualquer custo. O resultado é um caldo clarificado de péssima qualidade, que acaba dando prejuízo porque redunda em subprodutos de baixa qualidade que serão vendidos mais baratos”, afirma José Ieda Neto, engenheiro químico  e consultor industrial.

Leia mais: Como fazer um tratamento de caldo adequado, obter açúcar do tipo 2 e ganhar mais dinheiro

Ieda Neto: tratamento ineficaz gera caldo clarificado

Segundo ele, o tratamento do caldo é uma ciência química. Porém existem gestores que definem esse processo como uma ciência contábil. “O gestor diz para o técnico: ‘Vamos baixar custo! Baixe 10% ou 15% do custo’. Isto sem se preocupar com os fatores químicos. E o tratamento do caldo é um processo químico, que não é mutável em favor da nossa vontade. Ele é variável de acordo com o tipo da cana que entra na indústria”, avalia Ieda Neto.

Leia mais: Sistema de minimização de perdas de etanol e prevenção de acidentes promete eliminar incêndios em destilarias e tanques

O engenheiro químico explica que se os parâmetros da cana que entra na industria forem monitorados corretamente é possível consumir a quantidade exata de insumos necessários para tratar o caldo e em consequência disto surge a economia desejada.

Leia mais: Maior rendimento fermentativo e redução de insumos fez usina de Cidade Gaúcha (PR) obter ganho de 700 mil reais

Ieda ressalta que tratando o caldo corretamente evita-se impurezas indesejadas na fermentação e na centrífuga de fermento. “O trato correto retira os minerais do decantador. Quem não trata direito usa o fermentador como decantador também. E lá se vão as impurezas em suspensão junto com o fermento danificando a centrífuga. Com isso se gasta pouco com o fermento e muito com a centrífuga, os trocadores, piorando a troca térmica resultando em fermentação de baixa qualidade”.

Leia mais: Técnica de controle e monitoramento de contaminação em processo de fermentação fez com que usina economizasse 2,60 reais p/ m3 de etanol

O engenheiro químico afirma que com o procedimento correto a usina pode produzir em sua plena capacidade. Os detalhes de como proceder corretamente com esses processos serão apresentados por ele no 5º Curso de Processos, Fermentação e Produção de Etanol, que acontece em Sertãozinho (SP) no dia 20 de setembro.

Novidades tecnológicas
Sistemas e tecnologias inovadoras também serão revelados durante o curso, que apresentará casos e informações relevantes sobre esses avanços técnicos e inovações tecnológicas nas áreas de processos, tratamento de caldo, filtragem, fermentação, destilação e tratamento de vinhaça, visando o máximo aproveitamento da matéria-prima e de energia, redução de custos, melhorias na qualidade e otimização da produção de açúcar e etanol, apresentadas e discutidas por gestores de usinas e especialistas da área.

Leia mais: Biosev diz que está mudando mix de produção para favorecer etanol. O que isso significa para o setor?

Para se inscrever ou saber mais sobre o curso acesse o site www.sinatub.com.br. Para mais informações fale com a Thaís.

Contato
Telefone: (16) 3512.4300
WhatsApp: (16) 99153.8690
E-mail: [email protected].

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
Comentários
Carregando...
X