JornalCana

Raízen recebe nova certificação Bonsucro e se consolida como maior produtora de cana sustentável com o reconhecimento

Unidade de Leme -SP acaba de obter o selo que garante compromisso da companhia com as melhores práticas socioambientais

O Parque de Bioenergia de Leme – SP acaba de receber o selo Bonsucro, ampliando para 25 o número de unidades da Raízen que possuem a certificação, dos 30 bioparques em operação.

Esse reconhecimento reforça a posição da companhia como empresa do setor sucroenergético com maior número de unidades de processamento de cana-de-açúcar operando sob um rigoroso padrão de sustentabilidade, reconhecido internacionalmente.

Como parte de seus compromissos públicos, a meta da companhia é ter todas as suas 30 unidades operacionais reconhecidas até 2027.

A certificação garante que a cana que chega aos bioparques foi produzida conforme as melhores práticas ambientais, sociais e econômicas, além de todo o processo produtivo, pactuadas por meio de uma estrutura de governança da Bonsucro que envolve mais de 300 membros de mais de 50 países, atuantes em todos os elos da cadeia produtiva do açúcar e do etanol.

LEIA MAIS >Justiça encerra Recuperação Judicial da Usina Santa Terezinha

Além disso, trata-se de mais um marco importante dessa trilha de pioneirismo da Raízen na adesão ao padrão Bonsucro, que teve início em 2011 com a primeira unidade certificada do mundo, em Maracaí – SP.

“Este é mais um importante resultado para nós e que chancela que estamos no caminho certo ao adotar as melhores práticas do mercado em prol da sustentabilidade. Estamos falando de uma operação que, entre outros fatores, é reconhecida por combinar eficiência na agricultura, respeito à biodiversidade, gestão hídrica e boas práticas de relacionamento com as comunidades ao seu redor”, afirma a gerente corporativa de Qualidade Integrada da Raízen, Bruna Tetzner.

“Temos mostrado ao mercado uma eficiente combinação de produção sustentável e resultados consistentes. Possuímos   o maior volume de cana com certificação Bonsucro do mundo porque entendemos que isso tem que ser a prática comum, mas também é uma vantagem competitiva”.

LEIA MAIS > Anunciada terceira planta de etanol de milho no Vale do Araguaia

Processo de certificação

Para obter o selo Bonsucro, a Raízen submete seus bioparques a uma auditoria independente que analisa diversos critérios ambientais e sociais da cadeia da cana.      Com as revisões do padrão Bonsucro, os critérios de avaliação estão cada vez mais exigentes, principalmente quanto à melhoria na gestão dos riscos e mecanismos de comunicação eficazes e acessíveis para mapeamento e acompanhamento das ações pelas partes interessadas (stakeholders): comunidades do entorno, associações setoriais, governos, entre outros. Para isso, cada unidade certificada passa por auditorias de manutenção anual e deve se recertificar a cada três anos.

Esse processo de análise se desdobra para além de questões relacionadas diretamente à maneira como a cana é cultivada e colhida, passando também por aspectos como a diversidade. A Bonsucro recomenda que, no mínimo, 15% dos cargos de gestão e qualificados nas usinas sejam dedicados às mulheres, estabelecendo uma meta para promover a equidade de gênero.

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram