fbpx

Raízen amplia parceria com Santander para acesso de produtores a crédito rural

Iniciativa é uma das soluções oferecidas pelo portfólio do Programa Cultivar

A Raízen, por meio do seu Programa Cultivar, em parceria com o Santander, vem viabilizando financiamento rural para garantia de eficiência nas atividades produtivas de seus fornecedores de cana.

Para isso, as empresas preveem financiamentos com teto de R$ 3 milhões e período de amortização de acordo com cada tipo de operação, podendo variar de 12 a 18 meses, nas linhas de custeio ou investimento, respectivamente.

A iniciativa, que abrange todas as operações de manejo da cana planta e soqueira, busca garantir, por meio de relacionamentos sustentáveis, aumento de rendimento, benefícios financeiros e mais eficácia no gerenciamento dos negócios.

A parceria é uma das soluções oferecidas pelo portfólio do Cultivar, programa da Raízen que tem como objetivo fornecer auxílio e gerar valor para toda a cadeia produtiva. O programa contempla 80% da cana-de-açúcar adquirida de produtores pela companhia, que, por sua vez, representa 10% do mercado nacional, e oferece produtos e serviços focados em ganhos de produtividade, redução de custos e gestão da operação e dos riscos

Atualmente, o convênio conta com duas linhas de crédito disponíveis, uma para custeio e outra com foco em investimento, que contam com teto de 3 milhões por CPF ou CNPJ.

A primeira, viabilizada por meio de avaliação de recursos obrigatórios do Banco Central e regulamentada pelo Plano Safra, garante ao fornecedor soluções de caixa e acesso a um financiamento destinado aos tratos culturais do canavial, insumos e manejo.

Este método possui taxas de 10 a 15% abaixo dos valores médios praticados pelo mercado. Neste modelo de recurso, o período de amortização é de 12 meses, garantindo, assim, maior previsibilidade para os negócios.

LEIA MAIS > Acionistas da Biosev aprovam incorporação de ações em assembleia geral

Outra opção é a linha de investimento. Indicada para ampliação e renovação dos canaviais, esta categoria permite ao produtor até quatro safras para amortização da operação.

Nesse caso, as transações são realizadas por meio de recursos livres gerenciados pelo banco (RL) e as taxas são avaliadas de acordo com o desempenho de cada atividade.

Dentro do Cultivar, esta modalidade foi responsável por 64% das operações de crédito nas safras 2018/19 e 2019/20. As solicitações deste tipo de financiamento são realizadas em três janelas, com investimentos de inverno e opções de 12 ou 18 meses.

“A concessão de crédito tem um papel fundamental nos empreendimentos agrícolas, permitindo o desenvolvimento sustentável local, aprimoramento da produção e a manutenção das propriedades rurais. Por meio do Cultivar, seguiremos mobilizando nossos parceiros para o fortalecimento dessas ações que buscam maior oferta de soluções aos nossos fornecedores de cana.

A atuação da Raízen é de direcionar esses incentivos para a modernização e ampliação do setor sucroenergético na economia nacional, sempre avaliando as necessidades e particularidades de cada negócio”, afirma Ricardo Berni, diretor de Negócios Agrícolas da Raízen.

Desde 2016, o Santander vem reforçando sua estratégia de atendimento para o agronegócio e é o banco que mais cresce na concessão de crédito ao setor. Sua carteira de crédito ampliada – que considera Recursos Obrigatórios e Livres, BNDES, Funcafé e os títulos CPR e CDCA – ao agronegócio chegou a R$ 24 bilhões ao final de 2020, crescimento de 20% em relação a 2019, quando totalizou R$ 20 bilhões.

Apenas no setor sucroenergético, o aporte é de aproximadamente R$ 12,3 bilhões ao ano. O banco também dispõe de uma esteira dedicada às operações do convênio.

“A parceria tem sido muito produtiva, estamos muito satisfeitos. Para nós, o Programa Cultivar vai além do universo agro. O empreendedor-integrante tem uma vida particular e pode utilizar o banco para outros fins do que o seu negócio. Ou seja, o Cultivar representa uma porta de entrada fantástica para termos um relacionamento mais próximo com o produtor”, afirma Carlos Aguiar, diretor de Agronegócios do Santander Brasil.

LEIA MAIS >Raízen investe R$ 345 milhões em renovação de frota para a safra 21/22
Ricardo Berni, diretor de Negócios Agrícolas da Raízen

O trabalho conjunto das empresas ainda entrega ao produtor suporte administrativo e operacionalização das transações.

Para isso, a Raízen disponibiliza seu time de tesouraria, responsável por negociar e validar as taxas junto ao Santander, equipe de crédito, que realiza a análise de risco e fluxo de caixa, e equipes de suporte ao cliente, que cuidam dos processos de emissão de contratos, garantias e dos pagamentos e quitação do acordo.

A equipe de Negócios Agrícolas da companhia coordena o relacionamento e a construção da melhor oferta para cada modelo de negócio.

Recentemente, a Raízen implementou a assinatura digital nas operações de crédito. A iniciativa busca facilitar, ainda mais, os processos de adesão entre os envolvidos nos negócios e garantir maior tecnificação dos fornecedores de cana.

Com a digitalização, já é possível notar maior agilidade nas assinaturas dos contratos, sobretudo, em casos em que há mais de um responsável pela operação, reduzindo o tempo de aprovação e, consequentemente, acelerando o processo de desembolso do fornecedor.

“A parceria entre Cultivar e Santander tem apoiado muitos produtores parceiros com as linhas de custeio e investimento a taxas muito competitivas, mas entendemos a importância de manter o canal aberto com nossos parceiros, para garantir que possamos desenvolver juntos novas soluções em fomento de crédito sustentável que atenda aos anseios e diferentes realidades das nossas regiões de atuação.”, conclui Berni.

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
Comentários
Carregando...
X