fbpx

Racionamento levaria PIB a cair 1,9 ponto, prevê banco

hidreletrica_furnas

Um eventual racionamento de energia elétrica neste ano, em moldes similares ao que ocorreu em 2001, pode provocar uma redução de 1,9 ponto percentual do Produto Interno Bruto (PIB), afirma relatório do Bank of America Merrill Lynch, assinado pelo analista David Beker.

Segundo o relatório, um racionamento provocaria um choque de confiança que afetaria a atividade. O impacto de 1,9 ponto seria sentido em sua totalidade no quarto trimestre após esse choque. “Nossas estimativas mostram que é alta a probabilidade de uma recessão se houver racionamento este ano.” diz o documento.

Em 2001, quando houve um corte de 20% no consumo de eletricidade, a confiança da indústria caiu 10,4% e a do consumidor recuou 6,1%. O relatório pondera que, atualmente, o resultado final de um racionamento seria pior que o registrado em 2001, porque as atuais condições são mais desfavoráveis, com baixo crescimento do PIB, situação fiscal precária e possibilidade de rebaixamento na classificação de risco do país.

Nesse cenário, a indústria seria a mais afetada (queda de 4,4 pontos), seguida pelos serviços (-0,9 ponto). O setor agropecuário seria o menos prejudicado. A recuperação seria demorada. “Os efeitos do choque de confiança se dissipariam dez trimestres após o choque no PIB”, diz o relatório. Na indústria, isso ocorreria em seis trimestres e, nos serviços, em sete meses.

Segundo o banco, “o risco é o governo adiar um anúncio de racionamento, à espera de melhora nos reservatórios. Se isso acontecer e o nível não subir, um corte mais severo na oferta de energia será exigido, o que teria impacto sobre a atividade e a confiança”.

Fonte: Valor Econômico

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
Comentários
Carregando...
X