fbpx

Quatro cases mostram a busca pela cana de três dígitos

Webinar do JornalCana destacou o que as usinas têm feito neste sentido

O investimento em tecnologias e ferramentas que ajudem a suprir as necessidades fisiológicas das plantas no momento certo e na quantidade necessária, contribuindo para a alcançar e manter a produtividade de 3 dígitos é frequente.

Isso foi confirmado por lideranças de usinas durante o segundo dia da 1ª Maratona CANABIO, nesta terça-feira (25), comprovando como a transformação digital vem puxando a produtividade das lavouras canavieiras. O evento é realizado pelo JornalCana

LEIA MAIS > [Opinião] O presente é biológico 

Alecio Cantalogo Junior, da Bevap

Alecio Cantalogo Junior, gestor operacional de produção agrícola da Bevap, mostrou o que é feito na usina, considerada uma empresa referência em tecnologia de plantio de cana-de-açúcar, para conseguir canaviais com altas produtividades.

O gestor operacional falou sobre a importância da automação de processos agrícolas e seus relevantes ganhos para a companhia, entre eles, o Sistema de Automação de Irrigação que passará a contar com 98 pivôs de irrigação até o final do ano.

Citou também o piloto automático usado no preparo do solo que oferece maior eficiência operacional e diminui as perdas com o pisoteio e o viveiro de mudas pré-brotadas (MPB), que terá a capacidade de dois milhões de mudas por ano ampliada para 10 milhões de mudas, em 2021.

“Todas essas inovações e tecnologias ajudaram a reduzir nosso custo com logística e aumentar a eficiência nos processos, como na irrigação, oferecendo bons resultados”, disse.

Como exemplo, ele comentou que mapas NDVI (Normalized Difference Vegetation Index ou Índice de Vegetação por Diferença Normalizada) identificaram que em 2012 a usina tinha só 3,76% de canavial de alta produtividade e 43% de baixa produtividade. Hoje, os canaviais altamente produtivos representam 40% de suas lavouras e somente 0,56%, ainda têm produtividades baixas. “Isso mostra que a inovação e tecnologias trazem resultados”, afirmou.

Pedro Leal Noce, da Raízen

Fomento do ecossistema de inovação através das startups

Para manter a posição de maior processadora de cana-de-açúcar do mundo, a Raízen se tornou pioneira em vários projetos que contribuem para a eficiência das suas ações. Neste contexto, o Pulse, um hub de inovação para hospedar startups, foi criado há três anos, para prover oportunidades e fomentar o ecossistema de inovação aberta da empresa, inicialmente no campo e depois para outras áreas de atuação da companhia.  

Os resultados positivos deste hub foram temas da palestra de Pedro Leal Noce, gerente de Inovação Digital da Raízen, no evento. Ele destacou que o Pulse contabiliza mais de 300 startups qualificadas, com 38 startups associadas, 50 projetos pilotos sendo testados e 15 contratos que já ganharam escala comercial e estão rodando na própria Raízen.

Entre eles, citou o case de sistema de controle para aplicação aérea de insumos feito pela startup Perfect Flight, que faz o pré-vôo, possibilitando o georeferenciamento e apontamento de áreas com restrições e o vôo para aplicação precisa de insumos agrícolas. A operação cobre uma área de 417 mil hectares com uma média de 89% de acerto.

Outro exemplo dado foi da startup Arpac, que realiza a pulverização de defensivos por drone. Inicialmente é feita a identificação das áreas a serem aplicadas, em seguida, a aplicação localizada de defensivos é feita com drone. Neste caso, a operação com o drone tem potencial de aplicação em 20 mil hectares e a economia é de 45% em relação à aplicação feita por avião.

Rodrigo Vinchi, da Atvos

Tecnologia aumenta os índices de produtividade do canavial

Rodrigo Vinchi, diretor agrícola do Grupo Atvos, afirmou que os investimentos em tecnologia sempre estiveram no escopo da empresa, que tem oito unidades e capacidade de processamento de 36 milhões de toneladas de cana e 350 mil hectares de lavouras próprias.

Entre as várias iniciativas da companhia, Vinchi apresentou dados de três projetos implementados que já apresentam bons frutos, como o Projeto Cubo, que centraliza, através de uma torre de controle de CTT, processos fundamentas da lavoura. Esse monitoramento digital revolucionou as ações de CTT (Corte, Transbordo e Transporte) da Atvos.

De acordo com o diretor, o Cubo padroniza os processos, possibilitando um benchmarking interno e uma melhor integração entre as áreas agrícola e a indústria, permitindo uma gestão integrada que viabiliza uma profunda e rápida tomada de decisão estratégica e, por fim, maiores ganhos operacionais.

“O Cubo permite também que o gestor tenha uma visão completa do ciclo logístico, entre outros detalhes relevantes. O resultado é um modelo de integração “end-to-end”, explica. Ele também comentou sobre a mudança feita no manejo de pragas nos últimos quatro anos, inclusive com iniciativas desenvolvidas internamente.

Aumento da produtividade e redução de custos obtidos através da tecnologia

Vicente Esquit, da Vale do Paraná

Vicente Esquit, gerente Agrícola da Vale do Paraná, usina que pertence aos Grupos Pantaleon, com sede na Guatemala, e Manuelita, com sede na Colômbia, ressaltou que a companhia também fez a transformação digital na agricultura visando maximizar a produtividade e a redução de custo, com a racionalização de recursos e sustentabilidade.

Nos últimos anos, a empresa vem implementando ferramentas, como os processos de monitoramento dos canaviais, irrigação e de gestão de frotas. “Buscamos a otimização dos recursos, com a mecanização da maior parte das operações e com este controle, este sistema de integrado de gestão, fazemos as tomadas de decisão”, explicou.

A empresa vem se destacando no uso de Inteligência Artificial no Manejo Integrado de Pragas (MIP) e manejo de fertilidade e nutrição, com o uso de sistemas inteligentes para monitorar, prescrever e aplicar insumos e defensivos de forma precisa e localizada.

Com moderação do diretor da Procana, Josias Messias, o evento conta com patrocínio da Biotrop — Semeando biológicos, cultivando vida; da HB Saúde – Humanização e Tecnologia em Saúde; da Hover 500, a colhedora de cana da Jacto. Hover 500, feita para conquistar o seu canavial!; da Koppert — Biológico é Koppert; da Microgeo — Biotecnologia agrícola e da Unifibra — Projetos especiais para irrigação agrícola.

Assista ao webinar completo:

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

16 + sete =

X