fbpx
JornalCana

Programa de sustentabilidade para produtores de cana da Raízen obtém reconhecimento da SAI

Iniciativa inédita focada na valorização de boas práticas agrícolas para a cadeia da cana

A Raízen acaba de obter o reconhecimento da plataforma SAI (Sustainable Agriculture Initiative Platform), organização sem fins lucrativos criada em 2002 que ajuda a transformar a indústria ao incentivar o desenvolvimento de padrões agrícolas sustentáveis.

Por meio do ELO, programa da companhia que busca promover o desenvolvimento socioambiental dos fornecedores de cana em parceria com duas ONGs internacionalmente reconhecidas, Imaflora e Solidaridad, a empresa integrada de energia foi reconhecida por trabalhar com critérios alinhados ao FSA (Farm Sustainability Assessment ou Avaliação de Sustentabilidade da Fazenda).

O reconhecimento valida internacionalmente o compromisso da companhia com um modelo de produção socialmente justo e ambientalmente correto.

LEIA MAIS > CTC registra lucro de R$ 134 milhões na safra 21/22

A plataforma SAI (Sustainable Agriculture Initiative) desenvolveu o FSA como uma ferramenta construída em torno de um conjunto de requisitos que padroniza a avaliação dos produtores e permite que empresas avaliem, melhorem e validem a sustentabilidade em suas cadeias de fornecimento.

Buscando reforçar ainda mais uma gestão transparente de seus negócios e a garantir o alinhamento das condições contempladas no Programa ELO às certificações internacionais, a Raízen iniciou o processo de análise e adequação aos requisitos da FSA em abril de 2021.

Ricardo Berni

Tendo conquistado recentemente o reconhecimento do Programa ELO pela SAI Platform como equivalente ao sistema de qualificação Farm Sustainability Assessment 3.0 (sigla em inglês para Avaliação de Sustentabilidade da Fazenda) nível bronze, composto por 112 perguntas sobre proteção ambiental, gestão econômica e condições sociais para funcionários e comunidades locais. O que assegura a consistência do programa e seus critérios de avaliação, uma vez que eles estão em linha com os requisitos de referência internacionais orientados pela SAI.

Segundo Ricardo Berni, diretor de Negócios Agrícolas da Raízen, por meio do padrão internacional, a companhia busca estimular ainda mais hábitos socioambientais no cultivo e processamento da cana. “Entendemos que o reconhecimento de agentes externos é uma excelente forma de reforçar boas práticas já adotadas nas operações dos parceiros e dar visibilidade ao impacto positivo gerado no campo pelo Programa. Validações como essas engajam os produtores, levando-os a implementar medidas que garantam padrões de excelência em seus processos produtivos”, afirma.

Criado em 2014, o ELO estimula o planejamento estratégico das propriedades, garantindo, entre outras melhorias, o aperfeiçoamento contínuo dos produtores através de técnicas de gerenciamento, cultivo e respeito ao meio ambiente. Programa de adesão voluntária, a iniciativa conta com cerca de 2.000 mil fornecedores que aplicam as recomendações de melhorias conforme necessidades identificadas em visitas técnicas realizadas pela equipe de campo da Raízen, de acordo com a realidade de cada produção agrícola.

LEIA MAIS > Usinas do Grupo Virgolino de Oliveira serão vendidas como UPIs

O programa é fruto da parceria da Raízen com a Fundação Solidaridad e o Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola. O ELO possui, atualmente, adesão de 100% da cadeia de fornecimento e impacta mais de 2 mil produtores que contam com assistência técnica gratuita em sustentabilidade.

“Cada produtor tem seu técnico de confiança, que o apoia na adoção das melhores práticas de cultivo, impulsionando a produtividade com um menor uso dos recursos naturais e assegurando as melhores condições de trabalho a todos os envolvidos na produção”, explica o diretor.

Violaine Laurens, gerente de soluções digitais da Solidaridad reforça que “É uma confirmação da robustez do programa, que entrou no seu oitavo ano em abril de 2022, e de sua relevância para impulsionar e apoiar a sustentabilidade da cadeia global de açúcar e etanol”.

Já para Eduardo Trevisan, gerente de projetos do Imaflora, “O reconhecimento internacional obtido com a equivalência ao nível Bronze do Programa FSA/SAI reforça o papel do Programa ELO em motivar a mudança positiva na cadeia de suprimentos de cana-de-açúcar. E confirma o alinhamento do ELO com requisitos de sustentabilidade reconhecidos nacional e internacionalmente”.

 

 

 

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
X
Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram