Produção de etanol de milho ganha impulso com maior oferta do cereal

Foto: one cares on Unsplash

A oferta de milho deverá crescer na temporada 2018/19 no Brasil e no mundo.

Apenas em território brasileiro, a produção do cereal saltará 2,1% ante o ciclo 17/18, segundo a Conab, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), chegando a estimadas 27,37 milhões de toneladas.

A expansão na oferta de milho favorece também as unidades produtoras que fazem etanol a partir do cereal.

Em seu último levantamento, com dados entre 16/04/18 a até 1º de janeiro, a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) destacou que a produção acumulada somava 512,8 mil metros cúbicos de etanol.

O montante produzido deve alcançar 1 milhão de metros cúbicos em 2019, conforme previsão de Tarsilo Rodrigues, diretor da comercializadora Bioagência, apresentada no Congresso de Bioenergia da Udop em novembro passado em Araçatuba (SP).

A projeção de 1 milhão de metros cúbicos, conforme Rodrigues, leva em conta a entrada de novas plantas produtoras, assim como a expansão de outras.

Hoje situadas basicamente em Goiás e em Mato Grosso, onde há grande oferta de milho, as unidades de etanol do cereal expandem suas fronteiras.

Em Paraná e em Minas

Miguel Rubens Tranin, presidente da Alcopar, entidade representativa do setor sucroenergético no Paraná, disse para o JornalCana que a entrada de destilarias a milho no estado é apenas questão de tempo. “Temos oferta do cereal para isso e já negociamos”, comentou.

Minas Gerais também se prepara para entrar na produção de etanol de milho.

A Bevap, com unidade no município de João Pinheiro, deve iniciar a fabricação do biocombustível a partir do cereal no mais tardar em 2020. A informação foi revelada para o Jornal Cana por Gilmar Galon, gerente de divisão industrial da empresa.

A edição impressa do JornalCana de fevereiro trará entrevista com o executivo na qual ele detalha informações sobre o investimento. 

Em estados tradicionais de produção de etanol de milho, há a chegada de novas unidades como a da Inpasa de Paraguai S/A, em fase de implantação em Sinop (MT).

A FS Bioenergia terá sua segunda planta de etanol de milho no MT localizada em Sorriso. A primeira, que opera desde 2017, fica em Lucas do Rio Verde.

Leia também: 

Inpasa terá incentivo de R$ 2 milhões para instalar usina de etanol no Mato Grosso

Já Goiás deverá ganhar duas plantas de etanol de milho em 2019. André Rocha, presidente do Sifaeg, representante do setor no estado, revelou em dezembro que o estado passará a contar com unidade da Cerradinho Bio e da Santa Helena. “Em 2018 já tivemos a entrada em operação da unidade de milho da Usina Caçu”, disse ele em evento com a participação do JornalCana.

Leia mais: 

Goiás deve ter dua novas plantas de etanol de milho em 2019

Como deve ser a oferta de milho

A expansão das unidades produtoras de etanol de milho e de fontes proteicas como DDGs, com alto valor agregado, depende muito da oferta do cereal.

Por isso mesmo a previsão da Conab, de oferta 2,1% maior no ano-safra 18/19, favorece o setor. Essa previsão de alta ocorre devido ao aumento de 0,8% na área e de 1,3% na produtividade média.

Em relatório, o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, destaca que até o início de dezembro as boas condições climáticas haviam favorecido o desenvolvimento das lavouras de milho verão nas principais regiões produtoras. No entanto, agentes estão receosos quanto aos impactos do clima quente e seco sobre a produtividade registrados em dezembro.

Elevação

O Cepea, contudo, está otimista para a temporada 2018/19, para quem é esperado aumento na oferta de milho no Brasil e no mundo.

No Brasil, segundo a instituição, a elevação deve ocorrer devido aos maiores patamares de preços do cereal nos últimos meses e ao rápido semeio da soja na primeira safra, que favorecerá o cultivo da segunda temporada de milho.

Com isso, deve haver aumento dos excedentes internos, mesmo com maior consumo, o que pode pressionar as cotações.

Já em termos mundiais, porém, a demanda deve aumentar mais que a oferta, pressionando os estoques e podendo elevar os preços internacionais. Espera-se, também, aumento nas transações internacionais, o que deve ser uma boa alternativa para as exportações brasileiras.

Consumo interno 

O Cepea projeta que o consumo interno é estimado em 62,5 milhões de toneladas, elevação de 4,4% em relação à temporada anterior. Essa alta também é projetada por conta da industrialização crescente do cereal, inclusive com novas iniciativas de produção de etanol de milho na região Centro-Oeste e a elevada produção de ração animal .

A soma da produção do milho verão ao estoque de passagem, estimada pela Conab em janeiro, estava em 15,8 milhões de toneladas ao final de janeiro/19, o que indica suprimento de 43,15 milhões de toneladas para o primeiro semestre. Este volume é equivalente a 69% do consumo doméstico no ano, cenário que deve favorecer compradores.

Para a segunda safra, a perspectiva também é de aumento na área, devido ao semeio do cereal dentro da “janela ideal”. Isso mantém a perspectiva do potencial produtivo da cultura.

Produtividade

Porém, em seu relatório o Cepea destaca que por ora a Conab mantém as estimativas de área da temporada anterior, e perspectiva de produtividade média de 5,51 t/ha. Com isso, a produção do milho segunda safra 2018/19 está projetada em 63,73 milhões de toneladas, aumento de 18% frente à temporada anterior. Caso as estimativas da Conab se concretizem, a produção total de milho deve atingir 91,10 milhões de toneladas.

Possíveis impactos

Apesar da expectativa de produtividade elevada no campo, produtores estão atentos à probabilidade de El Niño em 2019. Caso esse cenário se confirme, as chuvas menos frequentes no Centro-Oeste podem impactar o desenvolvimento das lavouras, relata o Cepea. Até 16/01, a NOAA (Administração Oceânica e Atmosférica Nacional) indica probabilidade de ocorrência deste fenômeno de 70% no primeiro trimestre no território brasileiro.

Oferta mundial

Em termos mundiais, em seu relato o Cepea explica que o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) estima que a produção deva atingir 1,099 bilhão de toneladas, elevação de 2,2% em relação à temporada anterior.

A elevação é decorrente principalmente de aumentos nas produções estimadas do Brasil, Argentina, Sérvia e Ucrânia. O consumo deve atingir 1,131 bilhão de toneladas, aumento de 4,2% em relação ao anterior.

Quanto às transações internacionais, o USDA espera aumento de 8,1%, indo para 162,2 milhões de toneladas. Por enquanto, o Brasil se consolida como quarto maior exportador, com 26,5 milhões de toneladas, atrás da Argentina, com 27,5 milhões, Ucrânia, com 28 milhões e Estados Unidos, com 62 milhões de toneladas.

Com aumento na produção menor que o do consumo, o estoque mundial deve atingir 308,8 milhões de toneladas, quantidade 9,2% inferior à temporada passada. Quando analisada a relação estoque final/consumo para a safra 2018/19, existe redução em relação à temporada passada, de 4 p.p., para 27,3%, o que pode contribuir para a sustentação dos preços internacionais do médio ao longo prazo.

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

X