fbpx

Produção de cana será 11% maior em MT

A colheita da cana-de-açúcar começou há 10 dias em Mato Grosso com previsão de render 15,092 milhões de toneladas nesta safra, 11,40% a mais que na anterior. Incremento está associado tanto ao aumento da área plantada (5,5%) quanto ao ganho de produtividade (5,6%), conforme diagnosticado no 1º levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgado nesta terça-feira (10). Neste ciclo produtivo foram plantados 232,190 mil hectares, contra 220,090 mil na safra 2011/12.

Clima favorável ao cultivo e à colheita deve permitir avanço na produtividade, rendendo 65 toneladas de cana por hectare na safra 12/13, ante 61,54 t/ha na anterior. Mato Grosso mantém expansão progre ssiva nos canaviais, segundo a Conab, assim como os estados do Mato Grosso do Sul (12,5%), Goiás (7,5%), Espírito Santo (7,35%), Bahia (5,3%) e Minas Gerais (3,5%). São Paulo continua se destacando como o maior produtor sucroalcooleiro, com participação equivalente a 51,66% (4,426 milhões de hectares) da área total cultivada com cana-de-açúcar.

Analisando a renovação dos canaviais, a Conab identifica uma expansão na safra 12/13 em relação à safra anterior. Isso porque os produtores não conseguiram plantar toda área prevista na safra anterior, o que será feito neste ciclo produtivo. Melhoria da capitalização de alguns produtores, assim como os financiamentos criados pelo governo, facilita o processo de renovação.

No início deste ano, o governo federal lançou programa de financiamento específico para investimentos na renovação dos canaviais e ampliação da área plantada (Prorenova), com orçamento de R$ 4 bilhões, oriun dos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Mas, segundo representantes do setor, não foi suficiente para atender a produção 12/13 em tempo hábil.

Gerente de Agronegócios da superintendência regional do Banco do Brasil, Anderson Scorsafava, confirma que até agora a procura foi baixa. “Mas estamos divulgando mais e isso deve influenciar nas contratações”. Presidente das Usinas Itamarati, Sylvio Coutinho, diz que nem todos os produtores conseguem acessar o crédito oficial, devido às exigências. “São requeridos muitos documentos e a CND (Certidão Negativa de Débito) exclui 70% dos produtores”.

Diretor-executivo do Sindicato das Indústrias sucroalcooleiras de Mato Grosso (Sindálcool/MT), Jorge dos Santos, acrescenta que 20 mil hectares de lavoura de cana foram renovados com recursos próprios dos produtores. “Avisamos que se (o Prorenova) não saísse até outubro (de 2011), não resolveria nosso prob lema”. Criado para aumentar a produtividade das lavouras de cana-de-açúcar e diminuir a ociosidade das indústrias, melhorando a oferta de etanol, o Prorenova tem vigência até 31 de dezembro deste ano. Oferece taxas de juros composta de TJLP mais 1,3% de remuneração básica para financiamentos contratados por empresas com faturamento igual ou superior a R$ 90 milhões, além de atender as micro e pequenas. Há ainda a taxa de intermediação financeira de 0,5% e a remuneração do agente repassador. Financiamento pode alcançar 80% da necessidade do contratante.

Etanol anidro ganha mais espaço

Em Mato Grosso, a destinação de cana para produção de etanol hidratado deve reduzir 17,50% nesta safra, sendo reservadas 5,252 mil toneladas ao combustível. Quantidade é suficiente para produzir 431,960 milhões de litros do produto, sendo 91,654 milhões (l) a menos que na safra anterior. Nacionalmente, a produção aumenta 3,08%, alcançando 14,212 bilhões (l). Porém, a produção de etanol ani dro, utilizado na composição de 20% da gasolina, aumentará 51,93% no Estado, alcançando 499,534 milhões (l) na safra 12/13, sendo 170,746 milhões (l) acima do obtido no último ciclo produtivo.

Exclusivamente à fabricação do etanol anidro serão reservadas 6,338 milhões (t) de cana de açúcar. Em todo país, a produção cresce 7,44%, alcançando 9,743 bilhões (l). Toda produção estadual de etanol deve alcançar 931,494 milhões (l), segundo a Conab. Estimativa do Sindálcool contraria as projeções e prevê produção menor, na proporção de 850 milhões (l) de etanol, sendo 120 milhões (l) de etanol anidro, equivalente ao obtido no último ciclo produtivo.

Diretor da entidade, Jorge dos Santos, diz que esse volume é suficiente para atender a demanda estadual e de alguns estados da região Norte e Nordeste do país. “Não tem sentido aumentar a produção de etanol anidro”. Acrescenta que a maior parte da cana matogrossense será reservada para a fabricação de açúcar. Previsão do sindicat o é que sejam produzidas 470 mil toneladas da commodity. Pela Conab, apesar do aumento de 16,43% na produção de açúcar, a previsão é sejam produzidas 464,1 mil (t) este ano, sendo 65,5 mil (t) a mais que no ano passado. Para o açúcar serão reservadas 3,501 milhões (t) de cana em Mato Grosso. Em todo país, a quantidade destinada ao açúcar aumenta 5,65%, sendo 299,942 milhões (t) de cana e uma produção de 38,852 milhões (t) do produto. “Vamos recompor os estoques de açúcar”.

Presidente das Usinas Itamarati, Sylvio Coutinho, revela que irá reduzir em 3% da produção de etanol nesta safra, reservando 60% da cana para o combustível, sendo deste total 40% para a fabricação do anidro e 60% para o hidratado. Em contrapartida, a produção de açúcar aumenta na mesma proporção, correspondendo à 40% da cana moída.

Gazeta Digital

Autor: Silvana Bazani

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
Comentários
Carregando...
X