fbpx
JornalCana

Produção de cana-de-açúcar na região de Piracicaba cai 15% no ano

José Rodolfo Penatti, produtor rural em Piracicaba (Foto: Maria do Carmo de Andrade/Afocapi)
José Rodolfo Penatti, produtor rural em Piracicaba (Foto: Maria do Carmo de Andrade/Afocapi)

A produção da cana de açúcar caiu 15% este ano, em comparação com 2015, na região de Piracicaba (SP), uma das maiores produtoras do país, segundo o presidente da cooperativa dos plantadores de cana do estado de São Paulo (Coplacana), Arnaldo Antônio Bortoletto. O principal motivo para a queda de produtividade no setor foi o clima desfavorável à cultura canavieira.

“O fator climático é o principal motivo da queda de produtividade. No final do ano passado, choveu muito e nós tivemos que colher com um solo muito úmido, o que refletiu na produção deste ano”, afirmou Bortoletto.

A queda de produtividade apontada pela Coplacana também ocorreu em outras regiões de São Paulo. De acordo com dados da União da Indústria de Cana- de- Açucar (Unica), em todo o estado de São Paulo, área colhida de cana de açucar passou de 5.045.885 hectares em 2014 para 4.921.980 em 2015.

Antecipação da safra

A safra de cana de açúcar costuma começar no fim de março e terminar em dezembro. Este ano, por conta da baixa produtividade, o término foi antecipado para outubro, o que acarretou em demissões. “Tivemos que dispensar o pessoal mais cedo e o produtor teve que apertar mais o caixa porque a receita foi menor”, disse Bortoletto.

De acordo com Bortoletto, a queda na oferta provocou um aumento no preço da cana. “A situação era para estar melhor, porque os preços melhoraram nessa safra, mas nós tivemos em Piracicaba e região uma quebra na produção muita alta mais do que o previsto. Esperamos que a próxima safra melhore para que o nível de endividamento do produtor também melhore, porque ele ainda se encontra muito endividado”, diz.

Com 56% da produção das usinas voltadas para o açúcar e 44% para o etanol, o setor se beneficiou este ano da falta de açúcar no mercado internacional. “A cana tá exportando bem e vendendo bem. Dois terços do que é produzido no Brasil vai para exportação, já o etanol é vendido praticamente apenas para o mercado interno”, afirmou.

As informações são do G1.

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
X
Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram