fbpx
JornalCana

Produção de açúcar no Centro-Sul deve aumentar na segunda quinzena de maio

Estimativa é da S&P Global Platts

A produção de açúcar na segunda quinzena de maio no Centro-Sul do Brasil deve totalizar 2,590 milhões de toneladas, um ligeiro aumento de 1,3%, de acordo com as expectativas de consenso de analistas consultados pela S&P Global Platts em 8 de junho.

Se as estimativas dos analistas estiverem corretas, este será o maior volume histórico de açúcar produzido para a segunda quinzena de maio.

Segundo  a Platts, o aumento do açúcar pode ser atribuído principalmente ao forte clima seco na região Centro-Sul, que foi convertido em um aumento do ATR (Açúcar Total Recuperável).

Muitos produtores do Centro-Sul do Brasil postergaram o início da moagem da cana-de-açúcar 2021-22 com o objetivo de aumentar a produtividade após quase um ano de chuvas abaixo da média normal na região.

De acordo com a pesquisa, o ATR deve aumentar para 136,52 kg por tonelada, contra 133,83 kg em maio de 2020. Se essa estimativa estiver correta, será o maior ATR para o período desde a safra 2006-07, quando foi registrado 137,7kg por tonelada.

LEIA MAIS > ISO prevê déficit mundial de açúcar menor para a safra 2020/21

A quantidade de cana moída no segundo semestre de maio deve totalizar 43,04 milhões de toneladas, um aumento de 1,5% em relação ao ano anterior, de acordo com o levantamento, comprovando que as usinas do Centro-Sul já estão em pleno funcionamento. Se a previsão estiver correta, a moagem acumulada de cana na safra 2021-22 será de até 129 milhões de toneladas.

Dos 12 analistas pesquisados, a estimativa de esmagamento da cana variou de 40,03 milhões de toneladas a 44,2 milhões de toneladas. Espera-se que a UNICA divulgue seus números oficiais de produção nos próximos dias.

Açúcar e etanol

A proporção da cana usada para a produção de açúcar no Centro-Sul do Brasil no segundo semestre de maio deve ser um pouco menor do que no ano anterior em 46,2%, ante 47,26% em 2020, de acordo com a pesquisa.

A forte preocupação do mercado com a disponibilidade do etanol anidro e a constante alta do preço do biocombustível podem ser os principais motivos que levaram à decisão do mix de açúcar no período.

Apesar do mix de açúcar pontual menor no ano, os produtores devem continuar maximizando a produção da commodity, uma vez que o adoçante ainda está pagando um prêmio no mercado de exportação em relação ao etanol hidratado no mercado interno.

A avaliação média do etanol hidratado da Platts convertido em açúcar bruto equivalente nos últimos 15 dias de maio foi de 16,36 centavos / lb, enquanto a liquidação média do mercado futuro de açúcar ICE NY11 foi de 17 centavos / lb, apontando para um prêmio de exportação médio de 0,64 centavos / lb, ou $ 14 / mt, para o etanol hidratado doméstico.

LEIA MAIS > Usina do interior paulista reduziu em 21% seus custos industriais

Combinando a expectativa de maior volume de cana moída e ATR, com ligeiro aumento da mistura de etanol para 53,8% ante 52,74% no ano anterior, o volume total de etanol produzido deve aumentar 3,3% no ano, para 1,88 bilhão de litros.

A produção de etanol hidratado é esperada em 1,23 bilhão de litros no segundo semestre de maio, alta de 0,7% no ano, enquanto a produção de etanol anidro durante o período deve chegar a 643 milhões de litros, um aumento de 20,6% ao ano.

O etanol anidro é usado a uma taxa de mistura obrigatória de 27% na gasolina brasileira e os estoques apertados no país têm incentivado os produtores a transferir uma proporção maior da produção total de etanol para o anidro.

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
X
Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram