fbpx

preço do petróleo faz UE seguir Brasil e investir em biodiesel

A União Européia (UE) apresentou nesta quarta-feira um novo plano de desenvolvimento de biocombustíveis, para tentar quadruplicar o consumo do produto no bloco em cinco anos, na esperança de que as agitações atuais do mercado de energia incentivem os Estados membros a se envolverem mais no setor.

Assim, a UE poderá se tornar concorrente do Brasil, primeiro produtor e consumidor mundial de biocombustíveis. O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou em novembro que investirá US$ 10 bilhões nos próximos sete e oito anos para dobrar sua produção.

Com a intenção de confirmar uma lei européia de 2003, a Comissão Européia pretende aumentar a proporção de consumo de biocombustível no bloco a 5,75% do combustível total consumido na UE em 2010. A lei fixava uma meta de 2% para 2005 que não foi alcançada: a proporção de biocombustível subiu para apenas 1,4% neste ano, após 0,8% em 2004, segundo a Comissão.

Mas a situação mudou, diz Bruxelas, por causa dos novos recordes históricos do petróleo, da recente crise de abastecimento energético com a Rússia e também da necessidade de reduzir a emissão de gases causadores do efeito estufa para lutar contra o aquecimento global.

“Os próprios Estados membros e os cidadãos agora têm muito mais consciência disso e da vulnerabilidade da União Européia por sua dependência energética”, declarou a comissária para a Agricultura e o Desenvolvimento da UE, Mariann Fisher Boel.

Os bicombustíveis produzidos na UE ainda não são tão competitivos quanto o petróleo. Um barril de etanol custa 80 euros, e um barril de biodiesel, 60 euros, segundo um especialista da Comissão, contra 55 euros (US$ 65) para um barril de petróleo.

Para reduzir os custos de produção, Bruxelas se dedica à pesquisa, com a fabricação de “biocombustíveis de segunda geração”, e às economias de escala garantidas por um aumento da produção. A Comissão, porém, não forneceu dados sobre a redução dos preços esperada nem sobre os investimentos necessários para atingir estes objetivos.

Além do interesse em reduzir os gastos com petróleo e a dependência energética européia, o projeto de desenvolvimento dos biocombustíveis responde à necessidade de reduzir a emissão de CO2, de acordo com os compromissos do Protocolo de Kyoto, assinado pela UE, lembrou a comissária Fisher Boel.

Como os transportes estão na origem de um quarto das emissões de gases causadores do efeito estufa da UE, os biocombustíveis podem reduzir de 20% a 70% a emissão de CO2 na comparação com o petróleo, segundo um especialista da Comissão.

Por fim, a estratégia ambiciosa para os biocombustíveis pretende oferecer “novas alternativas para os agricultores da EU”, explicou Fisher Boel.

Na UE, o etanol é produzido com o açúcar de beterraba e cereais, e o biodiesel com grãos de oleaginosas como a colza (variedade de couve comestível cuja semente fornece óleo).

Os produtores de açúcar afetados recentemente pela reforma do regime açucareiro da UE poderão se beneficiar deste projeto, ressaltou a comissária. No mesmo tom, o comissário do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária Louis Michel disse que o mercado de biocombustíveis representa uma nova oportunidade para os países em desenvolvimento produtores de açúcar.

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
Comentários
Carregando...
X