fbpx

Plantio de cana: saiba o que é preciso fazer antes do replantio para baixar os custos

Quem revela é Julio Marcos Campanhão, da Agrocamp

 

 

 

 

 

Falhas no plantio de cana impactam produtividade

De acordo com a consultoria Canaplan, a queda da produtividade agroindustrial média do setor foi expressiva nos últimos dez anos. Considerando somente a região Centro/Sul, por exemplo, a perda foi de cerca de 2 toneladas de ATR/ ha. Isso, porque por uma série de razões os canaviais não receberam os investimentos necessários e as perdas foram impressionantes. Entre as consequências disso tudo, destaca-se a questão das falhas no plantio de cana.

LEIA MAIS > Plantio de cana: saiba tudo sobre manejo biológico e orgânico

Essa também é a conclusão do especialista Julio Marcos Campanhão, da Agrocamp. De acordo com ele uma das principais causas da produtividade agrícola da cana-de-açúcar estar abaixo do potencial do solo, assim como a redução da produtividade ao longo dos cortes, são as falhas presentes nestes canaviais. “Falhas oriundas de todos os processos de plantio de cana, como também de fatores não controlados. Porém, a maior representatividade está relacionada com a gestão agrícola no planejamento. Além da execução e condução das atividades relacionadas aos processos de produção”, afirma Campanhão.

Mas qual é exatamente a falha no canavial que traz prejuízo?

Define-se falha como um espaço na linha de plantio de cana sem a presença da planta. Com o advento das MPB, (Mudas Pré-brotada) plantadas com 50-75 centímetros entre plantas obtiveram-se bons resultados em canaviais bem formados, com ótimo stand e produtivos. Isso, leva a conclusão de que as falhas de brotação acima de 1,2 metros, são as que trazem prejuízos econômicos para o produtor. Ao passo que elas devem ser mensuradas e replantadas. “Na prática, observa-se que tem produtores que replantam falhas superiores a 1,0 metros e outros superiores a 2,0 metros, neste caso com o canavial original mais desenvolvido”, esclarece o especialista da Agrocamp.

Como a falha no canavial impacta a produtividade

De acordo com Campanhão, a queda de produtividade ao longo dos cortes é atribuída a uma série de fatores. Entre os quais estão: envelhecimento do canavial; clima adverso e degenerescência da variedade, mas o principal fator são as falhas oriundas dos processos de produção. Para dar embasamento nesta tese ele cita-se o exemplo de um produtor de cana-de-açúcar referência em manejo varietal, em controle de pragas, doenças, plantas daninhas, nutrição e fisiologia vegetal, e que, mesmo assim, a produtividade agrícola (média das últimas três safras) tem redução ao longo dos cortes.

Estagios de corte

Média TCH

T/ha mês

Variação (%)

1º Corte

137,1

10,0

2º Corte

121,9

10,0

0

3º Corte

115,0

9,5

-5

4º Corte

113,8

9,4

-6

5º Corte

105,5

8,8

-12

Demais

96,9

8,1

-19

 

Pela tabela nota-se que no 1º e 2.º cortes o produtor tem uma produtividade de 10,0 t/ha/mês. A partir do 3º corte a produtividade reduz para 9,5 t/ ha/mês, redução de 5,0% em relação ao 2º corte. No 4º corte sua produtividade é de 9,4 t/ha/mês, no 5º corte 8,8 t/ha/mês e nos demais cortes 8,1 t/ha/mês, uma redução de 19% em relação ao 2º corte, o que leva a concluir que essa redução tem como fator principal as falhas de brotação. Uma vez que esse produtor é uma referência em produção de cana-de-açúcar. A colheita do 1º corte é realizada com 14 a 15 meses e as soqueiras com 12 meses, segundo informações disponibilizadas pelo especiliasta. 

Então, o que é preciso fazer antes do replantio para baixar os custos?
Julio Marcos Campanhão, da Agrocamp

Para Julio Marcos Campanhão, da Agrocamp é preciso quantificar as falhas com mais precisão. “O recomendado é ter um índice de falhas mais preciso possível para tomada de decisão sobre a viabilidade do replantio. No mercado já existem empresas que fazem este trabalho, mas requer muito cuidado no momento do levantamento evitando assim erros de interpretação dos resultados”, alerta.

Ele cita o que um trabalho competente de mensuração de falhas deve conter. “O levantamento consiste em mapear as falhas existentes nos canaviais, quantificando, georreferenciando e até mesmo classificando as falhas por diferentes comprimentos. Esse levantamento é realizado através do uso de imagens de alta resolução obtidas por VANT (Veículo Aéreo Não Tripulado) onde é possível monitorar todo o canavial tendo como produto um orto mosaico que posteriormente será utilizado dentre outras finalidades para identificação das falhas e anomalias existentes no canavial”, explica Campanhão. Desta forma – segundo ele – é possível baixar os custos e trabalhar no replantio obtendo alto valor de produtividade.

É possível saber mais sobre plantio e replantio de cana

A Quarta Técnica JornalCana apresentou Inovações no Plantio e Replantio de Cana-de-Açúcar. O evento online aconteceu dia 16/9 às 19h. Além de Julio Marcos Campanhão, da Agrocamp, que apresentou mais detalhes sobre falhas no canavial e replantio de cana, o evento contou com as presenças de:

  • Alecio Cantalogo Junior, gestor operacional de produção agrícola da Bevap
  • Kamyro Bastos, superintendente agrícola na BP Bunge Bioenergia
  • Renato e Ricardo Delarco, produtores e fornecedores de cana da Usina Nardini
  • Rodrigo Corrêa, diretor agrícola da Usina Lins
Assista na íntegra:

Patrocínio:

DMB — A marca da cana

HB Saúde – Humanização e Tecnologia em Saúde

Pró-Usinas – Empresa do Grupo ProCana focada em tecnologia e inovação de resultados para as usinas

S-PAA Soteica – Software de RTO que maximiza a cogeração e a eficiência industrial, instalado em mais de 40 usinas e gerando ganhos superiores a R$ 1/TC. Veja mais em www.usina40.com.br.

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

dois − 1 =

X