fbpx
JornalCana

Petrobras aumenta em 8,87% preço do diesel

Gasolina e o gás de cozinha tiveram seus preços mantidos

(Divulgação Agência Brasil)

A Petrobras anunciou nesta segunda-feira (9) um reajuste de 8,87% no preço do diesel para as distribuidoras. De acordo com a Estatal, o preço do litro do combustível no atacado passará de R$ 4,51 para R$ 4,91, um aumento de R$ 0,40 a partir de amanhã (10).

Segundo a empresa, esse é o primeiro reajuste do combustível em 60 dias. A gasolina e o GLP tiveram seus preços mantidos.

Com o reajuste, a mistura obrigatória de 90% de diesel A e 10% de biodiesel passará a custar para a distribuidora R$ 4,42 por litro, em vez dos atuais R$ 4,06, uma alta de R$ 0,36.

Essa é a parcela da Petrobras no preço cobrado do consumidor, que ainda inclui custos e margens de lucro das distribuidoras e dos postos de combustível, além do ICMS.

A companhia justifica o aumento informando que o balanço global de diesel está sendo impactado, nesse momento, por uma redução da oferta frente à demanda.

LEIA MAIS > Crise de fertilizantes acelera inclusão de alternativas para o setor bioenergético

“Os estoques globais estão reduzidos e abaixo das mínimas sazonais dos últimos cinco anos nas principais regiões supridoras. Esse desequilíbrio resultou na elevação dos preços de diesel no mundo inteiro, com a valorização deste combustível muito acima da valorização do petróleo. A diferença entre o preço do diesel e o preço do petróleo nunca esteve tão alta”, informa a empresa na nota divulgada à imprensa.

A Petrobras informa ainda que suas refinarias estão operando próximo ao nível máximo e que o refino nacional não tem capacidade de atender a toda a demanda do país.

“Dessa forma, cerca de 30% do consumo brasileiro de diesel é atendido por outros refinadores ou importadores. Isso significa que o equilíbrio de preços com o mercado é condição necessária para o adequado suprimento de toda a demanda, de forma natural, por muitos fornecedores que asseguram o abastecimento adequado”, explica a Petrobras na nota.

No sábado, dia 7 de maio, durante sua presença na Feira Nacional da Soja (Fenasoja), realizada em Santa Rosa – RS, o presdidente Jair Bolsonaro atacou a política de preços da Petrobras, afirmando “que o Brasil não aguenta mais um reajuste de combustível em uma empresa que fatura dezenas de bilhões de reais por ano às custas do nosso povo brasileiro”.

LEIA MAIS > Usinas buscam alternativas para driblar preços dos insumos industriais

Apesar da reclamação do presidente, a defasagem do preço do combustível é de cerca de 25%, de acordo com especialistas. Portanto, novos aumentos do preço dos combustíveis preocupam o governo federal que estuda medidas para amenizar o impacto dos reajustes, entre elas, a mudança nas regras de compensação do preço dos combustíveis em contratos de frete rodoviário.

 

 

 

 

 

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
X
Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram