fbpx

Parceria sobre etanol será tratada entre Brasil e Índia

Primeiro-ministro indiano visita o Brasil em novembro

Os biocombustíveis estarão entre os temas centrais da visita bilateral do Primeiro Ministro da Índia Narendra Modi ao Brasil programada para o próximo mês de novembro.

A informação é da Agência UDOP, da União dos Produtores de Bioenergia (UDOP).

Narendra Modi foi reeleito em eleições realizadas no último mês de maio.

O presidente Jair Bolsonaro cumprimentou o primeiro ministro indiano pela recondução para mais um mandato, destacando que o Brasil e a Índia deverão fortalecer, ainda mais, suas relações comerciais.

Aproximação

Desde 2016 vem sendo intensificado um trabalho de aproximação entre os países sobre esse tema, que envolveu o recebimento de missões técnicas da Índia no Brasil.

Ademais, promoveu  a realização de reuniões na Índia com integrantes do governo e do setor privado.

Além disso, houve também participação da Índia na Plataforma para o Biofuturo, iniciativa de 20 países para promover a bioeconomia sustentável de baixo carbono.

Porquanto, isso tudo contribuiu para elevar o interesse do governo indiano pelo potencial dos biocombustíveis, resultando numa nova política, lançada em 2018.

Ela busca reduzir a dependência de importações, promover o desenvolvimento rural e combater a mudança do clima.

20% de mistura

Com essa política, o governo indiano espera cumprir seu objetivo de chegar a 20% de mistura do etanol à gasolina.

Um efeito positivo adicional poderia ser a recuperação global dos preços de açúcar, ao dar nova destinação para o excedente de produção indiano.

Em efeito, hoje esse excedente é exportado de forma subsidiada.

Por sugestão da própria comitiva indiana que ajusta a visita, deverá ser assinado um memorando de entendimento entre os dois países.

Ademais, esse memorando deverá ser voltado para a área dos biocombustíveis.

Aliás, Renato Domith Godinho, do Itamaraty, destaca: “a Índia tem gigantesco potencial de mercado e de produção de biocombustíveis, principalmente etanol.”

Antes de tudo, Godinho é o Chefe da Divisão de Promoção de Energia do Itamaraty.

“[Esse potencial é] devido à sua enorme produção de cana. Se o programa de etanol e biogás deslanchar por lá, abrem-se inúmeras oportunidades e vantagens para os dois países, a começar pela disseminação da produção, passo para um mercado global de biocombustíveis.”

Mercado importante

A Índia pode vir a ser um mercado externo importante de biocombustíveis para o Brasil, segundo Godinho.

Por fim, ele destaca que isso poderia suprir deficiências sazonais de produção doméstica na Índia, e ajudá-la a cumprir sua política de mandato de mistura.

“Além das oportunidades que poderiam se abrir para consultoria, tecnologia, bens e serviços brasileiros relacionados à produção de canaetanol e biogás”, finaliza.

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
Comentários
Carregando...
X