Mercado

Vantagem do gás sobre a gasolina se ampliou

O aumento no preço da gasolina anunciado na sexta-feira pela Petrobrás ampliou a vantagem do uso do Gás Natural Veicular (GNV) em São Paulo. Isso porque, diferentemente de outros Estados, o gás natural em São Paulo ainda não foi reajustado, o que deve ocorrer somente entre dezembro e janeiro. Na classificação dos combustíveis mais baratos, o GNV lidera, seguido pelo álcool hidratado e pela gasolina.

Levantamento feito pela MDJ Assessoria e Engenharia Consultiva, especializada em normas de instalação de gás, constatou que um carro médio, com motor 1.8, gastará R$ 25,00 em gasolina para percorrer 100 quilômetros (km). O mesmo trajeto exigirá R$ 17,15 com álcool hidratado e R$ 14,37 para abastecer os cilindros de GNV. A avaliação da MDJ considerou os preços médios dos três combustíveis em postos Petrobrás, em São Paulo.

Os ganhos, segundo o estudo, se acentuam se forem consideradas distâncias e prazos mais longos. Nas atuais condições do mercado de combustíveis, as vantagens do veículo a gás natural passam a ser maiores.

De acordo com o levantamento da MDJ, a economia de combustível ao rodar 10 mil km é ainda mais expressiva. Um carro movido a gasolina gasta R$ 2,5 mil para rodar 10 mil km, enquanto um veículo a álcool gasta R$ 1.715,00.

Um carro convertido para gás natural deverá, pelos cálculos da MDJ, gastar R$ 1.437,00 para percorrer os mesmos 10 mil km. Segundo o mercado de veículos usados, essa é a quilometragem média rodada por um veículo ao longo de um ano.

Considerados esses valores, a economia entre um carro com motor a gasolina para outro com GNV chega a R$ 1.063,00 para o mesmo número de quilômetros. É muito comum observar conversões de carros de frota e táxis. Quanto maior a quilometragem rodada e maior tempo de uso do veículo, mais vantajosa a conversão, diz Alberto Fossa, sócio da MDJ.

Embora a vantagem econômica do GNV seja insuperável em relação à gasolina, os donos de carros que andam menos que 10 mil quilômetros por ano devem avaliar bem a opção pelo gás. Fossa lembra que o kit de conversão do motor para GNV custa cerca de R$ 2 mil. É preciso observar quantos quilômetros o carro rodará. A perspectiva de longo prazo é interessante, mas talvez o tempo para recuperar o investimento com a economia de combustível seja longo demais, diz Fossa.

Uma opção mais simples é o carro bicombustível. A avaliação da MDJ, considerando-se carros equivalentes, mostrou que, depois de 10 mil quilômetros rodados, a economia de um veículo a álcool sobre outro a gasolina chega a R$ 785,00, como no caso do gás, o álcool também ficou mais competitivo. Para quem não tem uso intensivo do veículo, a melhor opção ao carro a gasolina é, talvez, o carro a álcool, afirma.

AUMENTO

A Comissão de Serviços Públicos de Energia (CSPE), responsável pela autorização de aumento do gás natural, já informou que o GNV terá um aumento em dezembro e janeiro (a data depende da concessionária).

Nos postos, o GNV deve ficar de 8% a 9% mais caro.

Banner Revistas Mobile