Usinas

Safra 2024/25 no Centro-Sul deverá chegar a 615 milhões de toneladas de cana

hEDGEpoint afirma que a seca de dezembro e janeiro influenciará a produção da próxima temporada  

Safra 2024/25 no Centro-Sul deverá chegar a 615 milhões de toneladas de cana

A analista de Açúcar e Etanol da hEDGEpoint Global Markets, Lívea Coda, atualiza a safra de cana, açúcar e etanol do Centro-Sul, no relatório recente da companhia.

“Antes de discutir nossos números mais recentes, é importante falar sobre nossa metodologia. Para melhor estimar o volume de cana, atualizamos nossas expectativas de crescimento de área, produtividade e qualidade da cana, considerando as principais fontes do mercado, como UNICA, MAPA e Conab, bem como o clima observado, medições de NDVI e tendências históricas”, explica.

E prossegue: “A partir da disponibilidade de cana, obtemos a produção de açúcar. Primeiro, as usinas conseguirão moer? A precipitação pode levar à perda de dias e retardar a moagem. A segunda etapa é entender o problema de otimização das usinas: açúcar ou etanol? O mix de açúcar é definido dependendo de qual subproduto é mais vantajoso”.

LEIA MAIS > SENAI-SP seleciona bolsistas para atuação em projetos de desenvolvimento de aplicações e tecnologias utilizando biocombustíveis

“Com relação à safra 2023/24, os últimos resultados cumulativos de produtividade informados pelo Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) sugerem que a região pode atingir mais de 655 milhões de toneladas de cana e produzir 42,4 milhões de toneladas de açúcar. O índice atingiu 87,5 t/ha, um crescimento impressionante em comparação com os 77,2 t/ha da última temporada. A moagem de toda a disponibilidade, 655Mt, leva a um aumento no volume de ambos os subprodutos: açúcar e etanol”, observa a analista.

Os níveis mais baixos de precipitação desempenharam um papel fundamental na produção de açúcar que já atingiu o volume recorde de 42,15 milhões de toneladas, marcando um aumento substancial de 25,6% em relação ao ano anterior e de 10,3% em comparação com a temporada 20/21 até meados de fevereiro.

De acordo com Lívea, “embora haja otimismo de que a região Centro-Sul possa ultrapassar a marca de 650 milhões de toneladas até o final da temporada 2023/24, há preocupações crescentes em relação às perspectivas para 2024/25. A diminuição da precipitação nas principais regiões produtoras de cana sugere que o TCH poderá sofrer uma correção mais acentuada do que a prevista inicialmente”.

LEIA MAIS > FS é a primeira produtora de etanol do mundo a receber certificação internacional ISCC para produção de SAF

Safra 2024/25

A dificuldade em estimar a produção do Centro-Sul se baseia no fato de que as chuvas foram bastante irregulares e dispersas por toda a região. Enquanto Ribeirão Preto, responsável por cerca de 14% da produção total de cana do Brasil, recebeu precipitação bem abaixo da média e permanece no limite inferior dos valores históricos, São José do Rio Preto está perto da média – assim como muitas outras microrregiões.

“Acreditamos que é prematuro prever uma grande redução na safra, mas a seca de dezembro e janeiro não pode ser ignorada. Como resultado, ajustamos nossas expectativas de cana para baixo, de 620 milhões de toneladas para 615 milhões de toneladas”, afirma.

É importante observar que ainda há tempo para a cana amadurecer, e as usinas têm sobras da temporada 2023/24 para começar. Além disso, a idade média da cana é menor do que nos anos anteriores. Há potencial de alta se as condições climáticas melhorarem nos próximos dias, mas também há a possibilidade de baixa se o clima não cooperar. Em última análise, o mercado é fortemente influenciado pelas condições climáticas.

LEIA MAIS >  Moagem de cana atingiu 646,60 milhões de toneladas

“Apesar de revisarmos nossas expectativas de cana para baixo, uma tendência consistente do mercado, reforçada por observações diárias, levou a um ligeiro aumento em nossas estimativas de produção de açúcar de 41,8 milhões de toneladas para 41,9 milhões de toneladas: um aumento atribuído a um mix de açúcar mais elevado”, destaca.

Vale ressaltar que a região Centro-Sul tem mantido consistentemente níveis elevados de mix de açúcar, superando os recordes em 2023/24. Considerando os investimentos reportados na cristalização, não seria surpreendente se a região ultrapassasse a marca de 51% e chegasse a 51,5%.

Portanto, apesar de uma modesta redução nas estimativas de cana, o Centro Sul continua a contribuir para o sentimento de baixa, compensando grande parte da ausência observada do Hemisfério Norte.

Banner Revistas Mobile