Usinas

Prejuízo de mais de R$ 1 bi dos produtores de cana-de-açúcar é confirmado em relatório da ORPLANA

Entidade reforça necessidade urgente de revisão dos aspectos técnicos e econômicos do modelo Consecana para reequilibrar a defasagem entre faturamento dos produtores e unidades industriais 

Prejuízo de mais de R$ 1 bi dos produtores de cana-de-açúcar é confirmado em relatório da ORPLANA

A ORPLANA (Organização das Associações de Produtores de Cana-de-Açúcar do Brasil) apresentou um estudo essa semana que identificou um desequilíbrio econômico e prejuízo dos produtores de cana no custo de produção.

O relatório anual da entidade, de 2023/24, da região Centro-Sul, confirma que o prejuízo dos agricultores acontece independentemente de seu estado de atuação ou tamanho. Em relação à safra 2023/2024, também está claro que os modelos de comercialização – Consecana puro, Consecana + plus, ATR fixo, Cana Spot – não estão remunerando corretamente, pois nenhum deles está cobrindo as despesas.

“Como consequência, os produtores de cana estão fechando a safra no vermelho – um prejuízo de R$ 17,3 por tonelada, o que dentro das 60 milhões de toneladas de cana, na área de atuação da ORPLANA, representa um prejuízo de mais de R$ 1 bilhão”, afirma o CEO da entidade, José Guilherme Nogueira.

O estudo de custos de produção da ORPLANA considerou a amostra de 171 planilhas recebidas com informações declaratórias de 30 associações de produtores de cana-de-açúcar, representando todas as cinco macrorregiões do Centro-Sul da associação.

LEIA MAIS > A Evolução do Setor Sucroenergético: O Futuro Sustentável do Brasil

Revisão do Consecana é urgente

“É fato que os produtores não estão conseguindo financiar sua atividade”, conta Nogueira.

Na área da ORPLANA, 41% dos contratos estão baseados em Consecana puro e não contemplam nenhum tipo de bonificação. “O Consecana argumenta que a maioria dos produtores tem incentivos por parte das usinas, porém o que é mostrado pelo estudo é exatamente o contrário”, frisa. “Por esses motivos, a ORPLANA tem buscado formas alternativas de remuneração para os produtores, as quais também passam pela necessidade de revisão do modelo Consecana, visando reequilibrar a defasagem na remuneração em que o sistema se encontra atualmente”, completa o CEO da entidade.

Para a ORPLANA, a revisão dos aspectos técnicos e econômicos do Consecana já estão com todos os prazos expirados.

LEIA MAIS > Colombo vence MasterCana Award na categoria “Sugar and Ethanol Group Of The Year”

José Guilherme Nogueira

“A revisão, prevista em estatuto, já venceu no início deste ano, visto que segundo regulamento do próprio Consecana, deveria acontecer a cada cinco anos.  A última foi em 2018”, explica Nogueira.

“A ORPLANA vê com muita preocupação esse cenário, mostrando o desbalanço entre o setor – soma-se a isso que as usinas têm recebido 100% dos CBIOs e repassado somente 50% aos produtores, bem como a não distribuição do valor dos créditos outorgados do ICM. Não é natural e nem normal um setor estar em seu melhor momento e outro elo da cadeia com custos altos e rentabilidade baixa. O setor clama por urgência na relação e na revisão do Consecana. E, caso isso não aconteça, a única saída administrativa dos produtores é ir ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica”, explica o CEO da ORPLANA.

De acordo com um outro estudo elaborado pela entidade, baseando nos dados disponibilizados nos balanços de 127 unidades sucroenergéticas, é nítido que há um desequilíbrio econômico entre os produtores de cana e as usinas.

LEIA MAIS > Utilização da vinhaça é tema da 6ª Reunião do Grupo Fitotécnico de Cana IAC

Estes relatórios trimestrais de 2023 mostram que as unidades sucroenergéticas possuem uma receita média em torno de R$ 390 por tonelada moída, e um EBITDA próximo a R$ 190 por tonelada de moagem efetiva.

“Trata-se de um número surpreendente e com grandes ganhos financeiros. Porém, contrária a essa aceleração, o cenário do pagamento da cana-de-açúcar aos produtores não parece tão favorável, mesmo com o aumento temporário do ATR de R$ 1,17/kg/ATR para R$ 1,21,07. Como apresentado no relatório anual do custo de produção, a cana tem dado prejuízo de R$ 17,03 por tonelada de cana aos produtores”, conclui Nogueira.

Banner Revistas Mobile