Usinas

Mais açúcar na Índia representa risco baixista para 2024/25

Traders continuam a monitorar de perto as condições climáticas no Centro-Sul Brasil  

Mais açúcar na Índia representa risco baixista para 2024/25

A semana passada foi marcada por movimentos predominantemente macroeconômicos no mercado. Depois que o Fed optou por manter as taxas de juros inalteradas na quarta-feira, os preços quase apagaram todos os ganhos registrados nas duas sessões anteriores ainda na quinta-feira, estabelecendo-se em 23,5 c/lb.

“O sentimento de “risk-off” ganhou força quando Israel contemplou um possível cessar-fogo. Apesar do conflito contínuo no Oriente Médio, a simples menção de um acordo provocou um recuo no complexo de energia, com o Brent e o WTI sofrendo uma queda de aproximadamente 7% cada. No entanto, é digno de nota o fato de que, apesar de alguma correção nos preços do açúcar, o adoçante conseguiu manter sua posição próxima a 24c/lb até o final da semana”, explica Lívea Coda, analista de Açúcar e Etanol da hEDGEpoint.

LEIA MAIS >Projeção para 2024/25 mostra um recorde de preço para ATR

Em termos de fundamentos, pouco mudou segundo a consultoria, especialmente porque seus números já eram mais otimistas em relação à safra 2023/24 da Índia em comparação com a média do mercado.

Portanto, a revisão para cima da disponibilidade do país pela ISMA e outras agências não pegou a consultoria de surpresa; na verdade, os volumes agora estão quase alinhados.

“Embora tenhamos mantido nossas estimativas inalteradas em 31,8 Mt de produção de açúcar após o desvio de 1,7 Mt, a ISMA agora considera 31,35 Mt, um número que, há alguns meses, estava próximo de 29 Mt. Impulsionadas pelo excelente resultado de janeiro, que fechou a diferença entre 23/24 e 22/23 para -3%, em comparação com -7% no mês anterior, essas mudanças na disponibilidade também refletiram em uma demanda por maior desvio de etanol”, diz a analista.

É claro que a formação de estoques é uma prioridade, mas a segunda na fila é o programa de biocombustíveis.

De acordo com a ISMA, a situação atual poderia levar o governo a permitir que mais 1,8 Mt de açúcar fossem desviadas para a produção de etanol. A NFCSF concorda, mas em um volume menor, afirmando que seria possível desviar mais 1,5 Mt. De qualquer forma, um estoque final maior pode ser um sinal de baixa no longo prazo – a Índia pode voltar ao jogo se o clima colaborar.

LEIA MAIS >Exportação de açúcar deve ser maior na safra 2024/25

Enquanto isso, os traders continuam a monitorar de perto as condições climáticas no Centro-Sul do Brasil.

O desenvolvimento de 2024/25 parece estar variando de acordo com a microrregião, com algumas tendo maior exposição à seca do que outras. No entanto, ainda restam várias semanas no período de entressafra, que se estende até o início de março, durante o qual as chuvas podem melhorar as condições gerais.

“Falando em 2023/24, os últimos resultados cumulativos de produtividade informados pelo Centro de Tecnologia Canavieria (CTC) sugerem que a região pode atingir mais de 655 Mt de cana e produzir 42,4 Mt de açúcar. O índice atingiu 87,5 t/ha, um crescimento impressionante em comparação com os 77,2 t/ha da última temporada. Nossas estimativas para 24/25 permanecem inalteradas”, afirma.

Como nenhum desses acontecimentos parece surpreender o mercado, sua atividade permanece moderada, com os fundos esperando confortavelmente por um motivo melhor para voltar ao jogo.

LEIA MAIS > Preço do açúcar recua 5% em janeiro

De acordo com Lívea, “essa postura neutra se alinha com nosso atual cenário global equilibrado, no qual vários fatores podem influenciar os preços. Entre eles estão a deterioração das condições de desenvolvimento da safra no Centro Sul, as perspectivas para a temporada 2024/25 do Hemisfério Norte ou as flutuações da demanda, maiores ou menores do que as previstas”.

Por enquanto, o mercado simplesmente não parece ter motivos suficientes para um retorno ao nível de 28 c/lb observado anteriormente. Embora haja demanda atuando, podemos nos ver confinados em uma faixa até que as principais variáveis forneçam uma direção mais clara, sendo o clima o principal determinante.

Em resumo, o mercado de açúcar não foi surpreendente na semana passada, o que levou a uma atividade de mercado mais estável e a fundos esperando confortavelmente por um motivo para voltar. A disponibilidade adicional da Índia seria primeiramente desviada para o etanol em vez de chegar ao mercado internacional, o que significa pouco para a disponibilidade e os fluxos comerciais da atual temporada.

LEIA MAIS >“O etanol substituiu entre 1975 e 2022, 3,54 bilhões de barris de gasolina, afirma Plínio Nastari

No entanto, ela representa um risco baixista para 2024/25. Enquanto isso, o Brasil ainda está registrando excelentes resultados de moagem e produtividade ainda em 2023/24.

Daqui para frente, o clima é a principal variável a ser monitorada para entender para onde o mercado está indo. Se o clima se tornar positivo para o desenvolvimento da cana nas semanas restantes de entressafra do Centro-Sul, poderemos ter uma excelente temporada em 2024/25.

Banner Revistas Mobile