Usinas

Inpasa anuncia nova planta de etanol de milho em Balsas, no Maranhão

Projeto de expansão fortalece a industrialização de várias matérias-primas no Norte e Nordeste do país, além do fomento a outras cadeias e geração de empregos

Inpasa anuncia nova planta de etanol de milho em Balsas, no Maranhão

O Grupo Inpasa está expandindo suas indústrias para o Nordeste do país com a 5ª unidade prevista para o município de Balsas, no Maranhão. O anúncio foi feito, neste sábado (30), em uma visita do governador do estado, Carlos Brandão, à indústria de Dourados, inaugurada em 2022.

“A nova unidade fortalecerá, ainda mais, o segmento de biocombustíveis e de proteína para nutrição animal, provenientes do processamento de diversos cereais, promovendo a geração de empregos, verticalização da produção, liquidez da produção e fomento a uma indústria limpa e sustentável“, afirma a direção da usina.

O investimento inicial do projeto será de R$1.2 bilhões, podendo chegar até R$2.5 bilhões. A unidade irá processar 1 milhão de toneladas de cereais para uma produção de 460 milhões de litros de etanol, 230 mil toneladas de DDGS, 23 mil toneladas de OIL Premium e 200 GWH/ano de energia elétrica.

LEIA MAIS > StoneX estima recorde sucessivo na moagem e safra 2024/25 pode chegar a 629,3 milhões de toneladas  

O governador do Maranhão, Carlos Brandão, destacou o vultoso investimento que deverá gerar mais de dois mil empregos somente para a construção da indústria. “Serão investidos um total de R$ 2,5 bilhões no sul do Maranhão, com a geração de 2,5 mil novos empregos somente para a construção, e 1,5 mil depois da fábrica pronta. Essa é uma grande conquista para o agronegócio e para os trabalhadores maranhenses, e um grande passo na industrialização do nosso estado”, afirmou o governador.

O vice-presidente do grupo, Rafael Ranzolin, comentou que, embora o carro-chefe da Inpasa seja o milho, a ampliação para outros tipos de amido abre um leque importante de possibilidades. “Queremos incentivar outras cadeias produtivas que podem se beneficiar amplamente pela instalação de novas unidades do grupo. Entre elas, a da proteína vegetal para nutrição animal”, afirma.

LEIA MAIS > Usina Rio Pardo encerra recuperação judicial

O grupo está verticalizando seus produtos e criando alternativas energéticas sustentáveis, seja com o próprio etanol, a partir da neutralização, com aplicações mais nobres do produto, seja com o óleo que atende aos mais diversos segmentos, dos biocombustíveis, passando pela nutrição animal, agricultura ou alimentação humana, até o DDGS que transita desde a pecuária até o mais exigente setor de Pet Food.

Banner Revistas Mobile