Usinas

Inmet divulga dados que mostram o enfraquecimento do El Niño

Intensidade do fenômeno deve mudar de moderada para fraca nos próximos meses, com possibilidade de formação do La Niña no segundo semestre

Inmet divulga dados que mostram o enfraquecimento do El Niño

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) divulgou o boletim nº 5, que apresenta dados sobre monitoramento, previsões e os possíveis impactos do El Niño no Brasil em 2024. O documento é produzido em parceria com a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) e o Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastre (Cenad).

O relatório indica que apesar do El Niño estar classificado atualmente como forte, a intensidade do fenômeno deve mudar de moderada para fraca nos próximos meses, com possibilidade de formação do La Niña no segundo semestre. Mensalmente, o documento é produzido e atualizado para disponibilizar informações acerca do fenômeno e, assim, apoiar os órgãos federais e estaduais além de contribuir para a tomada de decisões governamentais referentes ao país.

LEIA MAIS > CEPETRO/Unicamp vai criar centro multiusuário para manufatura de células a combustível

As previsões de Temperatura da Superfície do Mar (TSM) para a região do Oceano Pacífico Equatorial, produzidas por modelos climáticos globais, indicam alta probabilidade (98%) de que as condições do El Niño continuem a se manifestar nos próximos meses e persistam até, pelo menos, abril de 2024. Contudo, posteriormente, a maioria dos modelos climáticos apontam para o enfraquecimento do fenômeno, variando de intensidade moderada a fraca, com anomalias de Temperatura da Superfície do Mar na região do Pacífico Central inferiores a 1,4ºC.

De acordo com as projeções estendidas do IRI (International Research Institute for Climate and Society), as anomalias de Temperatura da Superfície do Mar vão atingir a neutralidade no trimestre AMJ (abril, maio e junho/2024), com 66% de probabilidade. Já a partir do segundo semestre de 2024, existe possibilidade de formação do fenômeno La Niña, com probabilidade superior a 50%.

LEIA MAIS > Exportações, saldo comercial e corrente de comércio têm recordes históricos para um mês de janeiro

Água no solo e vazões dos rios

Em relação à previsão do armazenamento de água no solo, as chuvas observadas nos meses de dezembro/23 e janeiro/24 contribuíram para a elevação nos níveis de umidade no solo em grande parte do Brasil, principalmente no sul da Região Norte, bem como em áreas da região central do País. A previsão do armazenamento de água no solo para o mês de fevereiro/24 indica uma manutenção da umidade no solo, já em grande parte da Região Sul, a previsão indica elevados níveis de umidade.

Não há expectativa de elevação dos níveis de água no solo para o mês de fevereiro/24 nas partes central e leste da Região Nordeste, noroeste da Região Norte e norte da Região Sudeste.

Banner Revistas Mobile