Usinas

Estudo revela que 92% do etanol brasileiro provém de novas áreas de cana

Pesquisa foi focada na análise do uso da terra destinada aos canaviais

(Divulgação FGV)
(Divulgação FGV)

De acordo com dados do DATAGRO, a produção global de etanol aumentou 3,6% em 2021, posicionando o Brasil como o segundo maior produtor desse combustível.

Em busca de avaliar a sustentabilidade real do etanol em termos ambientais, a Fundação Getulio Vargas (FGV) conduziu uma pesquisa utilizando monitoramento por satélite para criar um modelo econômico baseado em dados, focado na análise do uso da terra destinada à plantação de cana-de-açúcar.

O pesquisador da EPGE Escola Brasileira de Economia e Finanças da FGV, Marcelo Sant’Anna, liderou o projeto, destacando que, para aumentar a produção de cana-de-açúcar, há duas abordagens: replantio mais frequente e expansão para novas áreas. O estudo revelou que, no Brasil, apenas 8% do novo etanol é resultado da intensificação do processo de replantio, enquanto os restantes 92% provêm de áreas recém-desenvolvidas.

LEIA MAIS > A reação tardia do açúcar e a demanda sazonal

Sant’Anna ressalta a crescente demanda por combustíveis e a necessidade de mitigar danos ambientais, salientando que a pesquisa visa destacar as implicações do uso da terra. Ele observa que a expansão da cana-de-açúcar pode afetar áreas destinadas a outras produções, como soja e alimentos, invadindo matas e florestas. A pesquisa identificou que 20% dessas novas áreas eram originalmente florestas, indicando desmatamento, enquanto 70% eram áreas de pastagem ou de outras culturas.

O modelo desenvolvido possibilita analisar para onde essas novas áreas estão se expandindo e como afetam outras culturas além da cana. Sant’Anna destaca que, devido ao custo mais baixo, a expansão para novas áreas é mais prevalente do que o replantio. Ele enfatiza a importância de compreender os determinantes desse processo para orientar políticas públicas.

LEIA MAIS > Agronegócio tem 28,5 milhões de pessoas atuando no setor no 3º trimestre

Utilizando imagens de satélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), que mapeou todas as áreas de cultivo de cana-de-açúcar no Brasil ao longo de mais de 10 anos, o estudo ajustou seu modelo econômico de maneira dinâmica. Sant’Anna sugere que o modelo permite experimentos em políticas públicas, investigando como ocorre o aumento da produção de cana-de-açúcar.

O pesquisador enfatiza que o foco não é julgar o etanol como bom ou ruim, mas sim compreender o ciclo de produção e o impacto real desse combustível considerado verde. Ele destaca a necessidade de uma análise cuidadosa do cenário, pois a resposta à pergunta “quão verde é a cana-de-açúcar” depende fundamentalmente do que acontece com as áreas utilizadas para sua produção.

Banner Revistas Mobile