Usinas

ALS leva etanol de milho para o Nordeste

O Brasil já se tornou o segundo maior produtor global de etanol de milho, atrás dos Estados Unidos

ALS leva etanol de milho para o Nordeste

Pioneira na produção de etanol a partir do milho, em Sorriso, Mato Grosso, a ALS Projetos, do engenheiro Adriano Luís Soriano, vem expandindo sua atuação, chegando também ao Estado de Alagoas, no Nordeste do país.

Desde o dia 15 de fevereiro deste ano, a usina da Cooperativa Pindorama passou a operar, de forma experimental, a primeira destilaria de etanol de milho do Norte e Nordeste do país. Com uma produção inicial estimada em uma média de 75 mil a 80 mil litros de etanol de milho por dia, o projeto vem se consolidando com sucesso.

O rendimento também é considerado acima das expectativas. “Estamos conseguindo produzir cerca de 415 litros de etanol a cada tonelada de milho. Além disso, temos uma produção superior a 500 kg de WDG”, aponta o presidente da Cooperativa Klécio Santos.

LEIA MAIS > Safra de açúcar 2024/25 será menor, mas não uma quebra

A nova atividade na usina, localizada no município de Coruripe, litoral Sul de Alagoas, vai possibilitar o fortalecimento da avicultura, suinocultura e pecuária de leite em Alagoas. “O WDG é uma excelente fonte de proteína. Hoje alguns criadores compram esse produto em outras regiões do Brasil, com um alto custo de frete. Teremos a oferta desse produto, a partir de agora, com custo menor e um valor de logística reduzido”, apontou Santos.

A nova destilaria de milho, adianta o presidente da cooperativa, deve funcionar durante todo o ano, diferente da produção tradicional de etanol que opera entre seis e sete meses durante a safra de cana.

Para viabilizar a produção de etanol de milho, a usina Pindorama ampliou a capacidade de geração de vapor, o que levou três anos de investimento e a montagem de uma nova caldeira. A usina ainda está construindo quatro novos silos com capacidade de 50 mil sacos de milho cada um, além de um elevador para transporte do grão, para armazenar a produção e a matéria-prima.

LEIA MAIS > Hidratado inicia 2024 em queda; anidro tem pequena alta

Adriano Luís Soriano

“A perspectiva é que para este ano, possamos alcançar a produção de 40 milhões de litros de etanol de milho”, destaca Santos.

Segundo o gerente industrial Erikson Viana, a unidade, implantada em tempo recorde, está moendo cerca de 300 toneladas de milho/dia, fazendo cerca de 420 litros de etanol de milho e 500 quilos de WDG, por tonelada de milho. “Pretendemos passar toda a entressafra produzindo etanol de milho, estamos segurando uma grande quantidade de bagaço para que isso aconteça”, informou Viana.

“A produção de etanol de milho cresceu quase 1000% nos últimos cinco anos no Brasil, levando empresas como a ALS, pioneira no ramo de produção de Etanol de Cereais, a desenvolver projetos de instalação e adequação de usinas em todo o território nacional e também a realizar estudos fora do país”.

A empresa foi uma das premiadas na edição 2023 do MasterCana Nordeste, como fornecedor mais indicado na produção de etanol de cereais.

Esta matéria faz parte da ediçao 348 do JornalCana.

 

Banner Revistas Mobile