Usinas

Alckmin e Fávaro prometem favorecer etanol durante abertura do Cana Summit

Evento organizado pela ORPLANA acontece até amanhã (11), em Brasília

Geraldo Alckmin
Geraldo Alckmin

O vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, reafirmou na manhã desta quarta-feira, 10, que o Governo quer estimular o etanol e aumentar o teor do combustível na gasolina, elevando o percentual de 27,5% para 30%. A declaração foi feita durante a abertura do Cana Summit, que acontece até amanhã (11), em Brasília/DF.

Geraldo Alckmin defendeu a desoneração do setor visando alcançar paridade com a gasolina. “Vamos trabalhar para garantir uma competitividade efetiva em relação à gasolina. Propomos a retirada de todos os tributos para o retrofit das usinas e para viabilizar o transporte do etanol por dutos. Além disso, buscamos eliminar a carga tributária sobre os dutos de etanol, com o objetivo de reduzir custos e fortalecer o setor”, afirmou o vice-presidente.

Alckmin também ressaltou a importância dos biocombustíveis, especialmente o SAF (Sustainable Aviation Fuel), afirmando: “Estamos caminhando para substituir todo o querosene de aviação do mundo por biocombustíveis. Recentemente, um Boeing 787 decolou de Londres e pousou em Nova York utilizando 100% de biocombustível. Essa viagem experimental de 8 horas destaca o potencial desse setor. Quem vai liderar essa produção? O Brasil. Seremos os grandes protagonistas nesse cenário.”

LEIA MAIS >  MDIC habilita primeiras 23 empresas no Mover

Além de Alckmin, o evento organizado pela ORPLANA – Organização de Associações de Produtores de Cana, também contou com a presença do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Carlos Fávaro, do ex-ministro Roberto Rodrigues, além de deputados e outras autoridades do setor, reforçando a importância da produção canavieira do país.

“Atualmente, representamos mais de 60 milhões de toneladas de cana, tornando-nos a principal voz dos produtores de cana-de-açúcar em escala global. Isso não apenas reflete nossa influência, mas também a responsabilidade que assumimos em assegurar que cada produtor tenha sua voz ouvida e seus interesses atendidos”, afirmou Gustavo Rattes Castro, presidente da ORPLANA.

“A cana-de-açúcar atua como uma máquina eficiente na remoção de CO2 da atmosfera. Quem cultiva e é responsável por 40% dessa produção são vocês, os produtores rurais independentes aqui presentes, que buscam apoio. Embora o compartilhamento justo de valor ao longo da cadeia pareça uma necessidade óbvia, infelizmente, isso ainda não se concretizou”, afirmou José Guilherme Nogueira, CEO da ORPLANA.

Também se mostrando aberto às demandas do setor, o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, ressalta a importância vital das associações e cooperativas no enfrentamento dos desafios do setor agrícola: “A melhor abordagem que descobri para superar esses desafios é através do associativismo e do cooperativismo. É por isso que tenho orgulho do meu envolvimento com o cooperativismo. Além de ter sido presidente de uma cooperativa, também liderei uma entidade representativa de classe”, afirmou o Ministro, se colocando ao lado dos produtores.

LEIA MAIS > Produtores de cana do Centro-Oeste Paulista vão à Brasília de olho no mercado de carbono

“Precisamos desmistificar algumas questões e mostrar que o Brasil está na vanguarda dos biocombustíveis. A onda agora é dos carros elétricos, mas faremos a transição para o carro movido à hidrogênio, tendo por base o etanol”, disse Fávaro.

O ex-ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues destacou o potencial energético da cana-de-açúcar. “A cana-de-açúcar é uma fonte de energia constante. Ao se aliar ao sol, ela se mistura com a terra e o ar, e é assim que contribuímos para fornecer energia de forma exemplar ao Brasil e ao mundo”, declarou.

O avanço da tecnologia no setor foi mencionado pelo deputado Pedro Lupion, presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). “Durante minha visita à usina Cocal, testemunhei os avanços mais impressionantes do setor. A capacidade de gerar álcool, biometano e gás, integrar esses recursos na produção de energia da usina e distribuir o excedente para Presidente Prudente é um exemplo incrível do potencial do circuito fechado na produção de energia a partir da cana-de-açúcar. Para mim, isso representa verdadeiramente o futuro da indústria”, afirmou o parlamentar.

LEIA MAIS >Veículos movidos exclusivamente a etanol podem ter IPI zero

Outras pautas

Durante a abertura do Cana Summit, os discursos dos anfitriões e convidados apontaram que além de reconhecimento aos produtores, a proposta do evento é a conquista de anseios como a melhora na precificação da cana por parte do Consecana (Conselho de Produtores de Cana-de-Açúcar, Açúcar e Etanol do Estado de São Paulo) e o repasse financeiro dos CBIOs (Créditos de Descarbonização), dentro do programa RenovaBio (Política Nacional de Biocombustíveis).

As demandas inclusive também foram reforçadas pelo vice-presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), José Mário Schreiner e pelo deputado federal Arnaldo Jardim.

“O Consecana está velho e precisa ser reformulado, já o repasse de CBIOs ao produtor, isso é fundamental. Precisamos avançar para formalizar essa participação”, declarou o congressista.

Banner Revistas Mobile