Mercado

Redução de IPI para setor automotivo não vai ser renovado

O Ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, informou que o governo não vai renovar o acordo de redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) com o setor automotivo, que termina no próximo dia 28.

O ministro comentou que o governo estuda medidas mais estruturais para incentivar o setor. Ações mais permanentes também são o pleito dos empresários que, segundo o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotivos (Anfavea), Ricardo Carvalho, também não querem a renovação do acordo. “Eles estão contemplados na política industrial”, disse Furlan, referindo-se à execução da Política Industrial, Tecnológica e de Desenvolvimento, anunciada em novembro e cujas ações serão lançadas homeopaticamente até o dia 31 de março, à medida que forem fechados os consensos entre ministérios e empresários

dos setores envolvidos.

“No Fórum de Competitividade existe um grupo que tem a cadeia produtiva do setor automotivo e o assunto está sendo discutido ali. Quando houver decisão, será anunciado”, comentou o ministro.

Furlan esteve no ministério da Fazenda para discutir com o ministro Antônio Palocci o andamento da Política Industrial. Ele confirmou para depois do carnaval o anúncio de alguns programas com o Modermaq, de incentivo à compra de máquinas e equipamentos. “O Modermaq está caminhando bem, está sendo finalizado”, disse ele, ao citar que o programa para o setor industrial não será lançado de uma vez só no dia 31 de março, mas à medida que os acordos forem sendo fechados. “Para que esperar 31 de março se já existe consenso”, indagou.

Anunciada em novembro, a Política Industrial, Tecnológica e de Desenvolvimento estabelece como prioritários os setores de bens de capital, fármacos, semicondutores e softwares. O acordo de redução do IPI para o setor automotivo havia sido fechado em agosto do ano passado e renovado em novembro. (Fonte: Agência Brasil)

Banner Revistas Mobile