Mercado

Produtores avaliam linhas de financiamento para expansão da cana

O Grupo Temático Permanente Cana, que integra a Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do e Açúcar e Álcool do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, reúne-se nesta quarta-feira, 21 de setembro, no auditório da Canaoeste, em Sertãozinho, para discutir, entre outros assuntos, mecanismos de financiamento para o produtor de cana, principalmente para investimentos em novas áreas e renovação. Após a reunião, os participantes estarão visitando a Fenasucro e a Agrocana.

De acordo com o coordenador do Grupo Temático, Manoel Ortolan, que também é presidente da Orplana (Organização dos Plantadores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil), o assunto já foi pauta de reuniões anteriores e houve até uma reunião no BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), no Rio de Janeiro, para que fossem apresentadas as linhas de crédito existentes e que se encaixem na necessidade dos produtores de cana interessados em expandir a produção em áreas não-tradicionais. Ortolan informa que serão apresentados, durante a reunião, os pareceres do banco sobre as linhas disponíveis e o que poderá ser reivindicado pelos produtores.

Segundo a Orplana, com base nas estimativas da Câmara Setorial, a instalação de novas unidades industriais principalmente no noroeste paulista vai demandar uma expansão na área agrícola por volta de 850 mil hectares de cana.“É um investimento de cerca de R$ 2,1 bilhões e para que os pequenos e médios produtores participem desse momento de expansão, precisam ter acesso a crédito de longo prazo e condições de juros mais adequadas e a definição de quais fontes poderão vir esses recursos”, afirma Ortolan.

A Orplana representa 13.110 produtores, na maioria pequenos e médios, de 22 associações. No ano passado, eles foram responsáveis por 25% da matéria-prima entrega para a indústria em São Paulo.

Banner Revistas Mobile