Mercado

Preço do açúcar fecha em alta de 2,4%

Compra técnica eleva cotação para maior valor desde janeiro de 1998. O contrato 11 de açúcar, com vencimento em maio, negociado na Bolsa de Nova York fechou a 11,94 centavos de dólar por libra-peso, com alta de 2,4%, alcançando o maior valor desde janeiro de 1998. O contrato 14, negociado para março, teve ligeira valorização de 0,4%, cotado a 21,42 centavos de dólar por libra-peso.

A alta dos papéis resultou, principalmente, de compras especulativas, segundo o vice-presidente de operações para América Latina da Fimat Futures, Michael McDougall. “Houve também falta de vendas de origem, com o Brasil ausente do mercado nos dois últimos dias, por causa do feriado”, explica McDougall.

Segundo ele, o mercado tem sido influenciado também pela expectativa de que os Estados Unidos precisem importar de 500 mil toneladas a 700 mil toneladas a mais de açúcar este ano, devido às perdas decorrentes dos furacões. De acordo com analistas, o mercado sofre impactos ainda do deslocamento de parte da produção brasileira de açúcar para a de álcool.

Café

Os preços dos contratos de café negociados na Bolsa de Nova York, com vencimento em março, registraram ontem desvalorização de 3,3%, fechando cotados a 100,2 centavos de dólar por libra-peso. Com a queda, as cotações retomaram ao valor de fechamento de 31 de outubro.

O recuo dos preços deveu-se a vendas técnicas de fundos especulativos, segundo analistas de mercado. Na semana, as cotações acumulam desvalorização de 9,6%, enquanto os papéis negociados para dezembro já recuaram 9,7%, para 96,5 centavos de dólar por libra-peso, menor patamar registrado desde 2 de outubro.

Banner Revistas Mobile