Mercado

Plano nacional pretende estimular produção de biocombustíveis

O desenvolvimento de alternativas que possibilitem o aproveitamento integral da energia da cana-de-açúcar é um dos focos principais do Plano Nacional de Agroenergia, lançado na sexta-feira, 14 de outubro, na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), em Piracicaba, SP, pelo ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Roberto Rodrigues. O evento, que fez parte da programação da 48ª Semana Luiz de Queiroz, contou com a participação do presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Sílvio Crestana, dos ministros de Minas Energia, Silas Rondeau, e da Ciência e Tecnologia, Sérgio Resende.

O plano, elaborado pela Embrapa, tem o objetivo de estimular a produção de biocombustíveis, concentrando a produção de agroenergia em cinco grandes grupos: além do etanol, foram incluídos o biodiesel, o biogás, florestas e resíduos. Um dos objetivos é a ampliação das rotas de produção por meio do aproveitamento integral da biomassa gerada pelo calor (gás), oleaginosas, cana-de-açúcar ou pelo adensamento de áreas reflorestadas. De acordo com o ministro da Agricultura, há necessidade de desenvolvimento de novas alternativas tecnológicas e de sistemas de produção.

Outro desafio está relacionado à criação de parcerias para a viabilização de projetos nessa área. O plano prevê a criação, até o final do ano, do Consórcio Brasileiro de Agroenergia que reunirá ações de vários setores produtivos. Além da área agrícola e industrial do setor de biocombustíveis, o consórcio deverá ter a participação de representantes das indústrias de petróleo, automobilística e de equipamentos para a área de transformação.

Banner Revistas Mobile