Mercado

Pequenos terão ajuda para exportar

O Ministério do Desenvolvimento vai ajudar as micro e pequenas empresas de Pernambuco a exportarem. O apoio, concedido através do Projeto Primeira Exportação, vai ser dado aos empresários no processo de envio das mercadorias para o mercado externo. O projeto vai ser iniciado no primeiro semestre do próximo ano.

As primeiras empresas beneficiadas serão as que já possuem uma estrutura voltada para a exportação. “No primeiro momento, a prioridade será dada às empresas que estiverem mais maduras para que elas dêem retorno mais rapidamente e fiquem aptas para exportar em um ano, que é a duração do projeto”, explica Ivone Malaquias, gerente executiva de Negócios Internacionais e coordenadora do Núcleo de Exportação da Agência de Desenvolvimento de Pernambuco (AD/Diper).

O projeto tem várias etapas, como a análise da situação da empresa, realização de uma pesquisa sobre o mercado consumidor, adequação do item às normas internacionais, além da promoção e comercialização do produto. O ministério já realiza o projeto em cinco Estados.

Os detalhes do programa foram apresentados durante o seminário Parcerias: soluções para o crescimento das exportações, realizado pela Rede de Parceiros Exporta Pernambuco (ExportaPE). A AD/Diper vai coordenar o projeto em Pernambuco. Ele começa depois do Encontro de Comércio Exterior, que vai acontecer em março.

Os empresários devem se inscrever para o processo seletivo e a agência vai escolher as empresas que tenham o perfil do programa. A capacitação dos empresários vai ocorrer em abril e, até junho, cada empresa terá o seu diagnóstico divulgado.

BALANÇA COMERCIAL

As exportações de Pernambuco entre janeiro e novembro deste ano somaram US$ 808,3 milhões. Esse resultado representa um aumento de 18% em comparação com o mesmo período do ano passado, quando US$ 682 milhões em produtos foram vendidos para o mercado externo. Na mesma comparação, as exportações brasileiras cresceram 16,1% e as do Nordeste, 14,5%

Pernambuco é o quarto maior exportador entre os Estados do Nordeste, ficando atrás da Bahia, do Maranhão e do Ceará. Os dados foram divulgados pela Federação das Indústrias de Pernambuco (Fiepe), com base no resultado preliminar da balança comercial do Ministério do Desenvolvimento.

Este ano, as exportações de Pernambuco devem somar US$ 900 milhões, segundo estimativas do vice-presidente para Relações Internacionais da Fiepe, Paulo Gustavo Cunha. “A liderança vai continuar com o setor sucroalcooleiro, seguido do químico e do de fruticultura”, informa.

Ele diz que 25% das exportações de Pernambuco são de açúcar e álcool, 21% do setor químico e 18% de frutas e sucos. “No próximo ano, os produtos químicos devem tomar a liderança do setor sucroalcooleiro. A produção do segmento tem previsão de ficar maior enquanto a de açúcar e álcool tem o crescimento impedido pelas limitações geográficas do Estado”, afirma Cunha.

Além disso, o preço do açúcar caiu bastante este ano no mercado externo por causa do aumento da produção da Índia. O país costumava importa açúcar, mas passou a exportar o item. “O governo indiano concede subsídios entre US$ 32 e US$ 35 por tonelada de açúcar para os produtores. Então, todo mundo resolveu investir na safra”, completa Cunha.

Pernambuco tem 313 empresas exportadoras e importadoras. A maioria são pequenas: 31,3%. As micro são 27,5% e as médias, 24,6%. As grandes representam 16,6% do total.

Os principais entraves apontados pelas empresas para a exportação são a infra-estrutura precária, a falta de financiamento, o câmbio e a burocracia excessiva.

As informações foram divulgadas ontem, na primeira reunião do novo Conselho Temático do Comércio Exterior de Pernambuco, que é composto por 13 membros representantes de entidades e sindicatos.

Banner Evento Mobile