Mercado

No Texas, estrume vira energia para produção de álcool combustível

THE WALL STREET JOURNAL

HEREFORD, EUA — Durante quatro décadas, esta cidade do Texas procurou um jeito de se livrar do imenso resíduo oriundo de seu sucesso como um dos maiores produtores de gado de corte do mundo — milhões de toneladas de estrume de vaca. Já se tentou transformar os excrementos em eletricidade, fertilizantes e num substituto para lenha para ser usado em fogões. Agora, uma empresa texana chegou com uma solução atípica nascida do custo crescente do petróleo: queimar o esterco para servir de combustível para a produção de etanol fabricado do milho.

A empresa, a Panda Energy International Inc., tem planos de iniciar, nos próximos meses, a construção de uma usina em Hereford que vai produzir 378,5 milhões de litros de álcool por ano. Para a Panda, o estrume elimina a necessidade de utilizar gás natural, que tem um custo alto, para fazer a usina de álcool funcionar.

Para os fazendeiros de Hereford, o sistema é uma benção. Eles já assinaram contratos concordando em oferecer seu estrume de graça para a empresa.

Hereford se orgulha de ter um dos maiores rebanhos de gado de corte do mundo. Uma placa na estrada que leva à cidade a declara “Capital Mundial da Carne”. O gado movimenta US$ 2,7 bilhões por ano na cidade.

Mas os milhões de cabeças de gado nos pastos podem gerar até 6.300 toneladas de estrume por dia.

Apesar da dependência da cidade desse setor, os 15.000 habitantes de Hereford não gostam das montanhas de esterco. Além do mau cheiro, o estrume atrai moscas, acumula poeira e é considerado um risco para incêndios devido ao calor gerado durante o processo de decomposição.

No fim dos anos 90, um empresário de Montana convenceu o prefeito de Hereford a transformar o estrume em um substituto para queimar em fogões a lenha no lugar da madeira.

Mas o processo produzia tanta cinza que, embora muito mais barato do que lenha, o produto não parecia ter um forte apelo comercial.

Agora, a alta do preço do petróleo pode finalmente ser a salvação de Hereford. No mês passado, a Panda Energy fechou um contrato de US$ 120 milhões para construir a usina de álcool. O presidente da empresa, Todd Carter, diz que a usina será um dos maiores centros de produção de álcool dos Estados Unidos.

A usina vai produzir um resíduo rico em proteína que surge da fermentação de grãos e pode ser reciclado para virar alimento para o gado. “Estamos pegando o estrume de uma ponta e, na outra ponta, alimentando o (gado)”, explica Carter. “Então há sinergia.” Uma usina de álcool movida a gás natural custa milhões de dólares a menos para construir. Mas Carter diz que, apesar do maior custo inicial, este plano será mais eficiente no longo prazo. Ele calcula que cada uma das vacas da região produz 5,73 quilos de estrume por dia dos 18 quilos de alimento consumidos diariamente.

No acumulado, isso representa 6.315 toneladas de estrume por dia, muito mais do que as 1.500 toneladas diárias que a usina de álcool de Carter necessitará.

Se a operação for bem-sucedida, Carter já tem planos de expansão. Ele anunciou sua intenção de construir usinas parecidas com essa e movidas a esterco nas cidades de Yuma, no Colorado, e Haskell County, no Kansas, dois outros grandes pólos de gado.

Os planos de Carter são populares em Hereford. A cidade está doando uma área de 155 hectares para a construção da usina. Johnny Trotter, o maior produtor de gado de Hereford, diz que economizará milhares de dólares que tem usado para pagar outros fazendeiros para levar embora o estrume das 250.000 cabeças de gado que ele cria todos os anos.

Banner Evento Mobile