Mercado

Ministérios discutem plantio de cana na Amazônia

Depois dos transgênicos, a polêmica envolvendo a autorização para plantio de cana-de-açúcar na Amazônia será o novo embate entre os ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente, que têm posições contrárias sobre o assunto.

Na semana passada, o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, reafirmou que o plantio na região deverá ser permitido e incentivado em áreas já degradadas ou devastadas. Isso provocou uma reação da ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, que ligou para Stephanes.

Na conversa, ela “confirmou e reafirmou” que o governo não vai estimular o plantio que resulte direta ou indiretamente em desmatamento da Amazônia, contou o secretário-executivo do Ministério do Meio Ambiente, João Paulo Capobianco.

A polêmica extrapolou os gabinetes e chegou ao Congresso Nacional. A senadora Kátia Abreu (DEM-TO), integrante da chamada bancada ruralista, acusou a ministra de desrespeitar a Constituição Federal.

“Os produtores têm livre-arbítrio. Não tem cabimento impor restrição ao plantio em áreas degradadas. É inconstitucional.”

Já o deputado Ivan Valente (PSol-SP) acredita que autorizar o plantio é um “erro crasso”. “Isso é atentar contra o interesse público de preservação da floresta”. O deputado discorda da proposta do ministro de autorizar a instalação de canaviais só em áreas degradadas.

“Primeiro (os agricultores) vão degradar e depois plantar cana. A lei permite”, ironizou.

Banner Evento Mobile