Mercado

Lula sugere produção de biocombustíveis à República do Congo

O presidente da República Popular do Congo, Denis Sassou Nguesso, demonstrou hoje (16) entusiasmo em relação aos biocombustíveis, mesmo o país sendo auto-suficiente em petróleo – possuindo atualmente uma produção diária de 267 mil barris.

Em coletiva após a assinatura de quatro contratos de cooperação entre os dois países, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ressaltou a importância dos biocombustíveis para o continente africano.

Mesmo que aqui na África tivessem países com o poder de consumo da Noruega, ainda assim seria importante oferecer o biocombustível, porque se trata de evitar a emissão de gases efeito estufa.

Segundo ele, a América Latina e a África são hoje as regiões com mais terra para plantar oleaginosas (mamoma, girassol, soja, amendoim, etc), que são a base desses combustíveis.

O Brasil é auto-suficiente em petróleo, tem uma empresa das mais modernas do mundo. Entretanto, para nós, a produção do biocombustível primeiro é a oportunidade de criar uma nova matriz energética menos poluente, mais geradora de empregos e mais distribuidora de renda. É tudo que eu quero para o Brasil e é tudo que eu quero para a África, ressaltou Lula.

O presidente brasileiro ponderou que estava apenas sugerindo, e não impondo qualquer modelo ao país africano.

O que eu quero mesmo é fazer uma revolução na agricultura com o biocombustível, sem atacar dois problemas. Primeiro, manter a segurança alimentar. Segundo, todos os países têm que ter um zoneamento agroecológico para preservar as áreas que precisam ser preservadas. E aqui na África tem gente precisando de trabalho, tem muita terra e, do outro lado, no Norte, tem pouca terra e muita gente com dinheiro para comprar o biocombustível produzido aqui. Só isso.

Durante a coletiva, o presidente congolês apoiou a entrada do Brasil como membro permanente no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), bem como a luta contra os subsídios agrícolas liderada pelo G20, grupo que reúne países em desenvolvimento.

Banner Evento Mobile