Mercado

Lula quer vender biodiesel à rainha

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva inicia hoje visita oficial de três dias ao Reino Unido, a terceira ao país depois de eleito.

Para desembarcar no Aeroporto de Heathrow, em Londres, ontem à noite, o governo brasileiro solicitou ao governo britânico autorização especial para pouso, por se tratar de presidente em visita de Estado.

O Aeroporto de Heathrow só opera até as 23 horas e a chegada de Lula e sua comitiva ocorreu às 23h55, hora local. Como a visita oficial só começa hoje, às 12h10, o presidente e a primeiradama, Marisa, passariam a noite na residência da Embaixada do Brasil. Hoje, Lula e os seis ministros que o acompanham serão transferidos para o Palácio de Buckingham.

O trajeto entre Horse Guards, onde Lula e Marisa serão recebidos pela rainha Elizabeth II e pelo duque de Edimburgo, na lateral do St. James´s Park, foi enfeitado com bandeiras brasileiras e inglesas. O trecho será percorrido de carruagem, com toda a pompa que envolve visitas do gênero. Os presentes que o governo brasileiro dará à rainha já foram entregues no Palácio de Buckingham. Um deles é uma escultura do artista mineiro Zé Bento.

O primeiro dia da visita será encerrado com o cerimonioso jantar de gala que a rainha oferecerá a Lula e comitiva, quando, especula-se, Elizabeth II, informalmente, poderá apresentar novas desculpas do governo inglês pela morte do brasileiro Jean Charles de Menezes, pela Scotland Yard, em julho do ano passado. Ele foi morto em uma estação de metrô de Londres, ao ser confundido com um suspeito de terrorismo.

Para a visita, Lula traz a disposição do governo brasileiro de incrementar a relação entre os dois países para aumentar o comércio bilateral e os investimentos de empresários ingleses no Brasil.

A Inglaterra, que já foi o quarto investidor no País, hoje está em 11º lugar.

RODADA DOHA

Em seus discursos, Lula vai falar da importância do biodiesel como combustível alternativo, da necessidade de destravar a Rodada Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC) e pode pedir que outros presidentes se apressem para solucionar este problema. Também voltará a falar da necessidade da realização de reforma do Conselho de Segurança das Nações Unidas. O Brasil espera conseguir um assento permanente no conselho.

De olho nas eleições, ele apresentará um Brasil que considera estar dando certo, apesar de ainda ter muito a fazer, como tem reiterado em seus discursos. Nos três encontros com objetivos econômicos, voltados a atrair capital para o Brasil, Lula destacará a estabilidade alcançada pelo País, que tem hoje inflação controlada, mas não citará o pífio crescimento do ano passado de 2,3% do Produto Interno Bruto (PIB).

Ressaltará também seu empenho em combater a fome a e miséria. Assim como deve reforçar a idéia de formar um fundo para ajudar os países pobres a reduzir suas mazelas sociais.

Banner Evento Mobile