Mercado

Implantação de alcoolduto poderá duplicar produção de Goiás, afirma sindicalista

A implantação do alcoolduto ligando a cidade de Senador Canedo (GO) à refinaria de Paulínia (SP) poderá levar à duplicação da produção sucro-alcooleira do estado de Goiás, em até seis anos.

A afirmação é do presidente do sindicato das indústrias de álcool de Goiás, Igor Montenegro, que participou da solenidade de assinatura do protocolo de intenções entre o governo goiano e a Petrobras.

O protocolo prevê o desenvolvimento de estudos técnicos e financeiros para investimentos em infra-estrutura de exportação de álcool, incluindo a construção do primeiro alcoolduto do país. Com R$ 500 milhões em recursos, possibilitará o transporte de 4 bilhões de litros de etanol.

Segundo Montenegro, o acordo “é fundamental” para o desenvolvimento do setor no estado. “Ele nos dará competitividade, para nos tornarmos um estado exportador, na medida em que reduzirá em até 16% os custos do transporte – hoje feito por rodovias. O alcoolduto proporcionará uma interiorização do desenvolvimento e dará maior segurança e estabilidade ao abastecimento, em nível nacional”, afirmou.

O setor, ainda de acordo com o sindicalista, movimenta cerca de R$ 500 milhões por ano. E entre 2004 e 2005 o estado de Goiás passou da sétima para a quinta colocação na produção de álcool do país, superando Pernambuco e Mato Grosso. Atualmente, São Paulo lidera essa lista: é responsável por 60% de toda a produção de etanol do país. “A gente pode expandir a safra, hoje em torno de 760 milhões de litros de álcool – o que significa 4,5% da produção nacional”, acrescentou.

Esse volume é suficiente para abastecer o mercado de Goiás, o Distrito Federal, Tocantins e uma parte do Norte do país – principalmente Pará e Maranhão. “Temos como expandir a produção utilizando pelo menos 3 milhões de hectares de área nova, o que faria do estado o maior produtor do país. Atualmente, cinco novas indústrias estão sendo implantadas no estado e as 12 usinas existentes têm planos de expansão”, informou o sindicalista.

A solenidade de assinatura do protocolo de intenções contou ainda com as presenças do presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, do diretor de Abastecimento da estatal, Paulo Roberto Costa, e do governador de Goiás, Marconi Perillo.

Banner Evento Mobile