Mercado

Colheita para conter preço do álcool

O início da safra de cana-de-açúcar 2006/07 da região Centro-Sul será celebrado hoje em São Tomé, noroeste do Paraná, quando a Destilaria de Álcool Cocamar começa a processar sua produção. As moendas da unidade da empresa começarão a funcionar com a presença do ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, que espera, com a festa, serenar os ânimos em relação à alta dos preços do etanol nas bombas.

O preço do álcool subiu 67% desde junho, ou seja, no pico da safra 2005/2006. O maior salto ocorreu na semana passada, quando o litro do álcool hidratado subiu 7,5%, para R$ 1,1530 por litro e o anidro, 7% para R$ 1,1493. Ainda não está claro se a redução do percentual de mistura à gasolina, de 25% para 20%, a partir de hoje, conforme determinação do governo, terá impacto positivo no bolso do consumidor.

Para alguns distribuidores de combustível, este ainda não é o teto, neste período de entressafra. Os preços deverão subir ainda mais, prevêem, mas isso não quer dizer que poderá faltar o produto nos postos.

– Álcool existe, desde que os distribuidores se disponham a pagar por ele – afirmou o representante de uma grande distribuidora de combustíveis.

Os negócios se realizam em pequenos volumes, uma vez que todos temem a queda repentina dos preços, como reflexo do início da colheita da cana-de-açúcar. A Cocamar antecipou o início do corte de cana em mais de 60 dias, em relação à data oficial do início da safra. É a primeira vez que a produção começa num mês de fevereiro, o que só foi possível pelo avanço tecnológico, pelas novas variedades de cana e pelo período do plantio das lavouras, segundo o gerente da Destilaria Cocamar, Aparecido Carlos Savoy. A maturação química da cana só foi feita em uma pequena área de 500 hectares.

Neste ano, a Usina do Vale do Ivaí, no noroeste do Paraná, também participará da experiência, iniciando o corte em 7 de março, segundo anunciou a empresa. A Vale do Ivaí, como a Cocamar, deverá esmagar mais de 1 milhão de toneladas de cana em 2006.

A União da Agroindústria Canavieira de São Paulo (Unica) não vê possibilidade de desabastecimento de álcool combustível no país até pelo menos o início de abril. As usinas da região Centro-Sul mantêm estocados 2 bilhões de litros do combustível. Como o consumo está em 1,1 bilhão de litros por mês, é possível que haja em abril volume suficiente para atender ao mercado. Nesse período, segundo a Unica, o mercado poderá contar com uma oferta adicional de pelo menos 900 milhões de litros para atender à demanda. Maior volume de cana deverá começar a chegar nas usinas a partir de meados de abril. O pico da safra ocorre no meio do ano.

A safra de cana da região Centro-Sul deverá ser 10% maior que a de 2005/06, segundo a previsão de alguns analistas. No período anterior, a produção da região foi de 336 milhões de toneladas.

Banner Evento Mobile