JornalCana

Mercado de compensação de carbono prevê crescimento de até 40% em 2023

Os preços médios dos créditos de carbono foram maiores em 2022 do que em 2021

O mercado primário de créditos voluntários de carbono pode aumentar em até 40%, para cerca de US$ 1,9 bilhão em valor em 2023, assumindo que os preços e a demanda continuem a aumentar nas taxas recentes.

A estimativa é da Trove Research, uma empresa líder em pesquisa de crédito de carbono, que apresentou uma análise do mercado em 2022 e uma prévia das condições deste ano em um webinar realizado nesta terça-feira (17).

No entanto, no evento, seus analistas, advertiram, que se os níveis de aposentadoria e os preços não aumentarem materialmente, o valor do mercado pode permanecer inalterado em cerca de US$ 1,3 bilhão no próximo ano.

“O número de empresas que estabelecem metas de redução de emissões endossadas pela Science Based Target Initiative atingiu um novo pico de 4.253 no final de 2022, incluindo nomes de primeira linha como Sony, DHL, Lufthansa, Delta Airlines e Cemex”, observaram analistas da Trove.

LEIA MAIS >Volume de chuvas favorece produção, mas pode provocar redução no ATR da cana

Embora o ritmo de adoção das metas do SBTI tenha diminuído no quarto trimestre, o mercado também recebeu orientações importantes de várias fontes incluindo a ISO e as Nações Unidas, que ajudarão as empresas a estabelecer metas climáticas e adotar compensações de carbono como parte da sua estratégia.

Conforme constatou a Trove, a oferta de compensações de carbono caiu 14% em 2022, para 325 milhões de toneladas, devido principalmente à moratória na venda de créditos implementada pelos governos da Indonésia, Papua Nova Guiné e Honduras. Esses países foram vendedores significativos de compensações de carbono de REDD+ em anos anteriores e, como resultado, o volume geral de créditos de REDD+ emitidos caiu cerca de um terço no ano passado.

No entanto, cerca de 40% da oferta total do ano passado foi para compensações geradas por soluções baseadas na natureza, como REDD+ e restauração da natureza, enquanto as compensações de energia renovável representaram um valor semelhante.

Conforme informou o analista da Czarnikow, trading britânica de alimentos e serviços, Alessandro Vitelli, as aposentadorias por crédito em 2022 totalizaram 173 milhões, um aumento de 2% em relação ao ano anterior, apesar dos ventos macroeconômicos globais contrários decorrentes da invasão russa da Ucrânia e da crise energética.

LEIA MAIS > Unidades da BP Bunge obtém certificação CARB para exportar etanol à Califórnia

“Uma característica fundamental das aposentadorias de crédito em 2022 foi que as empresas optaram por retirar créditos muito mais jovens do que nos anos anteriores, de acordo com a pesquisa da Trove”, explicou.

“Em geral, você pode esperar que o ano médio dos créditos aposentados aumente em um ano, a cada ano. No entanto, no ano passado, a safra média de crédito aposentado aumentou cerca de três anos, de 2015 a 2018”, disseram analistas da Trove.

Um dos setores de demanda que mais cresceu em 2022 foi o de alta tecnologia e mudanças permanentes. Tecnologias como captura direta de ar, biocarvão e mineralização estão caminhando para implantação em larga escala e, embora as compras desses tipos de projetos totalizem apenas 590.000 toneladas em 2022, isso foi um aumento de cinco vezes em relação a 2021.

“Devemos esperar ver mais bolsões desses tipos de projetos altamente desejáveis ​​surgindo, disse o fundador da Trove, Guy Turner, destacando a crescente demanda por compensações de “carbono azul” geradas por projetos baseados em ecossistemas costeiros e oceânicos”, analisou Vitelli.

Segundo ele, a Trove informou que o excedente global de créditos de carbono não retirados cresceu 27%, para 751 milhões de toneladas, incluindo cerca de 150 milhões de toneladas de compensações provenientes de projetos antigos considerados menos desejáveis ​​por compradores corporativos.

De forma crítica, o volume de possíveis compensações de projetos que ainda não foram aprovados mais que dobrou no ano passado, de 200 milhões para 529 milhões de toneladas.

LEIA MAIS > Itaú recebe Selo Energia Verde da Unica

Foto: CEBDS/Divulgação

“Esse aumento maciço na capacidade aponta para um investimento crescente em projetos de carbono”, disse Trove, embora tenha alertado que nem todos esses projetos serão concluídos.

Quanto aos valores, o preço médio ponderado para todos os créditos transacionados em 2022 foi de US$ 8,80/t, um aumento de 40% em relação à média de US$ 6,30 em 2021, de acordo com a pesquisa da Trove.

“Apesar do aumento médio em relação ao ano anterior, os preços de todas as classes de offset terminaram o ano mais baixos do que começaram, devido principalmente ao impacto da guerra na Ucrânia”, disse o analista da Czarnikow.

Uma pesquisa com mais de 300 participantes do mercado sobre as expectativas de preços para este ano, realizada durante o webinar, constatou que os créditos de energia renovável devem terminar o ano negociados inalterados entre US$ 3 e US$ 6/tonelada. Os créditos para fogões limpos foram previstos para atingir $ 7- $ 10, REDD + em $ 11- $ 14 e restauração da natureza entre $ 15- $ 18/tonelada.

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
X
Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram