fbpx

Mecanização elevada reduz impactos de Covid-19 no setor, destaca a Czarnikow

Avaliação é do analista Ben Seed

Mecanização da colheita

O alto grau de mecanização reduz os impactos do novo coronavírus (covid-19) no setor sucroenergético brasileiro.

A avaliação é de Ben Seed, analista da consultoria especializada Czarnikow em relato nesta quinta-feira (19/03).

Segundo Seed, o elevado grau de mecanização nos processos das usinas do Brasil e da Austrália atesta que elas devem ser capazes de minimizar qualquer interrupção na safra.

Oficialmente, a safra 2020/21 na região centro-sul do Brasil começa em 01/04, embora unidades já retomaram a moagem de cana neste mês.

“O início da temporada 2020/21 não foi adiado, mas as usinas continuam cautelosas, pois qualquer aumento nos casos de vírus no campo pode afetar as operações”, destaca o analista no relatório.

Leia também: 

Variedade de cana produz biopesticida natural contra a principal praga da cultura

 

Cultura de baixa manutenção

 

Conforme a Czarnikow, a cana é uma cultura de baixa manutenção, o que significa que a próxima safra brasileira deve continuar a se desenvolver como de costume.

Mesmo em países produtores que exigem muito trabalho humano, caso da Índia e Tailândia, a safra segue sem percalços.

Isso porque o corte de cana nesses países está no fim.

E novos cortes só estão previstos dentro dos próximos seis meses.

Por conta disso, a consultoria atesta que a produção mundial de açúcar não foi, até então, afetada pelo covid-19.

Levantamento desse 19/03 da empresa destaca que a fabricação global do adoçante é mantida em 175,1 milhões de toneladas.

Na safra 19/20, a produção mundial foi de 162,3 milhões de toneladas.

 

Produção de açúcar não é afetada pelo covid-19

Fonte: Czarnikow

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

cinco × 1 =

X