fbpx
JornalCana

ISO prevê déficit mundial de açúcar menor para a safra 2020/21

Consumo também deverá cair

O consumo mundial em 2020/21 foi revisado para 172,377 milhões de toneladas

A Organização Internacional do Açúcar (ISO) atualizou a sua estimativa para a safra de cana-de-açúcar 2020/21 mundial (setembro/20 a outubro/21) e prevê um déficit de 3,142 milhões de toneladas de açúcar, ante 4,782 milhões de toneladas projetadas em fevereiro e de 3,504 milhões de toneladas divulgadas em novembro.

“A produção agregada foi revisada ligeiramente para cima, enquanto o consumo foi reduzido nesta avaliação para refletir o aumento nos casos COVID-19 na Índia e no Brasil e as restrições às viagens de férias”, ressalta a ISO em nota.

A previsão revisada coloca a produção mundial em 2020/21 em 169,235 milhões de toneladas, um aumento de 0,195 milhões de toneladas desde fevereiro, embora este número líquido inclua revisões para baixo na produção na Tailândia e em Cuba, enquanto a produção do Centro-Sul do Brasil é revisada para cima com um aumento na alocação de cana para produção do açúcar.

O consumo mundial em 2020/21 foi revisado para 172,377 milhões de toneladas, sendo que em fevereiro a previsão foi de 173,822 milhões de toneladas. A redução combinada no Brasil e na Índia, devido aos casos de COVID-19, é de 0,5 milhão de toneladas, enquanto um ajuste para perda de demanda em destinos de férias é de 0,29 milhão de toneladas.

De acordo com a organização, as mudanças na disponibilidade de exportação são significativas em termos de dinâmica de preços. O consumo da disponibilidade indiana nos últimos meses resultou em uma revisão para cima de 0,547 milhões de toneladas. Também contribuiu para o equilíbrio do mercado no primeiro semestre de 2020/21, após a queda na disponibilidade da Tailândia, de 0,633 milhões de toneladas para 4,681 milhões de toneladas.

LEIA MAIS > Usina do interior paulista reduziu em 21% seus custos industriais
José Orive, diretor-executivo da ISO

“Para o Brasil, a estimativa de produção revisada para CS Brasil nos próximos meses não deve aumentar as exportações, devido ao congestionamento dos portos, custos de frete e margens reduzidas para refinarias costeiras que reexportam açúcar branco. A disponibilidade global de exportação foi revisada para baixo em 0,225 milhões de toneladas para 61,955 milhões de toneladas em 2020/21”, explica José Orive, diretor-executivo da ISO.

Quanto à estimativa de demanda de importação não foi muito alterada em relação a fevereiro, ficando em 61,701 milhões de toneladas (-0,462 milhões de toneladas). As principais mudanças são um total mais alto para os países da Eurásia, após um acordo sobre cotas de isenção de impostos, enquanto incorpora revisões em baixa para China, Paquistão e Estados Unidos.

A ISO informou ainda que a política de taxas de juros dos EUA resultou em um dólar fraco durante grande parte de 2021. O real se fortaleceu desde março, de R $ 5,56 / USD para chegar a R $ 5,3 em maio, apoiado por números de crescimento do PIB acima do esperado para o primeiro trimestre do ano.

“Embora isso tenha servido para reduzir a lacuna entre o etanol e o açúcar, as usinas continuam a favorecer o açúcar em relação ao etanol hidratado”, lembrou a organização.

Sobre os preços do açúcar no mercado mundial, a ISO afirma que aumentaram 8% entre fevereiro e abril. No entanto, devido às particularidades da oferta e da demanda, os preços domésticos nos mercados monitorados por eles obtiveram resultados mistos com aumentos observados no Brasil, na UE, na Índia e na Rússia, enquanto os preços no México e nos EUA permaneceram praticamente estáveis. Já no Brasil, os preços internos atingiram um nível nominal mensal recorde em maio.

LEIA MAIS > Campanha contra incêndios busca reduzir prejuízos causados pelo fogo nas lavouras
Índia terá cotas mensais mais altas de vendas de açúcar neste ano

“Na Índia, o Ministério da Alimentação estabeleceu cotas mensais mais altas de vendas de açúcar neste ano, mas o mercado interno enfrentou uma pressão crescente em maio devido ao ressurgimento das restrições de bloqueio”, informou.

O dólar mais fraco e outros fatores fundamentais, continuaram a apoiar os preços das commodities. Os preços mundiais do petróleo bruto atingiram US $ 70 / bbl, o nível mais alto desde meados de 2019, devido às restrições de oferta por parte dos países da OPEP +.

Enquanto isso, os preços das commodities agrícolas subiram, devido à forte demanda por milho e soja da China, bem como à escassez de oferta induzida pelo clima na América do Sul e nos EUA. “Como resultado, os preços do milho, soja e trigo atingiram máximos em vários anos, aumentando os custos de insumos para produtores de etanol e HFCS”, conclui a organização.

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
X
Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram