Açúcar e etanol

DATAGRO reduz estimativa de produção de açúcar no Centro-Sul

Clima seco e cana bisada impactam negativamente as previsões otimistas para a safra 2024/25

(Foto: Divulgação Freepik)
(Foto: Divulgação Freepik)

Apesar do forte ritmo de moagem, impulsionado pelo clima seco e pelo maior volume de cana bisada, a safra 2024/25 de cana-de-açúcar no Centro-Sul do Brasil começou decepcionando as expectativas mais otimistas em relação à oferta de açúcar. Isso ocorreu mesmo após os recentes investimentos na capacidade de cristalização da indústria, conforme relatado pela consultoria DATAGRO em seu Relatório VIP.

Desde fevereiro, a consultoria vem alertando sobre problemas nos canaviais da região, atribuídos ao tempo seco, que prejudicou o desenvolvimento fisiológico das plantas. Esse fator foi particularmente prejudicial nas áreas a serem colhidas no último terço da safra, levando as usinas a colher canas mais jovens, ainda não completamente maduras.

“Os canaviais começaram a exibir problemas devido ao tempo seco, afetando principalmente as áreas colhidas no último terço da safra, com usinas colhendo canas mais jovens, que não completaram o ciclo vegetativo nem a maturação”, destaca a publicação da consultoria.

Neste contexto, a DATAGRO revisou para baixo sua estimativa sobre o rendimento industrial da safra 2024/25 no Centro-Sul do Brasil, assim como a projeção sobre o mix de produção de açúcar.

A consultoria também revela que as importações de açúcar pela Indonésia aumentaram quase 71% em abril, embora continuem em queda no acumulado do ano. “Em abril de 2024, o açúcar bruto correspondeu a 96,9% do volume importado”, observa a DATAGRO em seu Relatório VIP. Os dados da Badan Pusat Statistik (BPS) indicam que, em abril, as importações de açúcar pela Indonésia registraram um aumento anual de 70,8%, sendo o maior volume importado no período em três anos.

No entanto, no primeiro quadrimestre de 2024, as importações de açúcar pelo país asiático diminuíram 5,7% em comparação ao mesmo período de 2023, registrando o menor volume nos últimos cinco anos. “Em abril de 2024, o açúcar bruto correspondeu a 96,9% do volume importado”, reitera o relatório da DATAGRO.

O Brasil manteve sua posição como principal fornecedor da commodity para a Indonésia, representando 81,2% do total mensal importado em abril. Nos primeiros quatro meses do ano, o país sul-americano forneceu 52,3% do total de açúcar adquirido pela Indonésia.

Banner Evento Mobile