fbpx

Indicador para venda de energia da cana despenca para R$ 30,25/MWh

O bagaço é a principal fonte das usinas para gerar eletricidade (Foto: Unica/Divulgação)
O bagaço é a principal fonte das usinas para gerar eletricidade (Foto: Unica/Divulgação)

Até a próxima sexta-feira (22/01), vender energia elétrica feita da biomassa no mercado spot é um negócio quase sem remuneração. É que a comercialização no spot emprega como indicador do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD). E o PLD, nessa semana, vale R$ 30,25 o megawatt-hora (MWh).

Os R$ 30,25 representam o valor mínimo estabelecido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para 2016. As informações são da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), que faz a gestão do PLD nos quatro submercados do País: Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Norte e Nordeste.

O valor de R$ 30,25/MWh vale para os submercados Sudeste/Centro-Oeste, Sul e Norte. O preço no Nordeste também foi reduzido e passou de R$ 317,30/MWh para R$ 309,97/MWh, queda de 3% frente ao valor da última semana.

Afluências

A previsão das afluências em janeiro passou de 92% para 110% da média histórica no Sistema Interligado Nacional (SIN). A elevação, que totaliza 17.300 MWmédios, é esperada em todas as regiões com destaque para a Sudeste que passa de 102% para 126% da Média de Longo Termo – MLT. As ENAs da região Sul foram revistas de 214% para 216% da média história, seguidas pelas afluências do Norte (30% para 39% da MLT) e Nordeste (29% para 35% da média).

Os limites de recebimento de energia do Nordeste continuam sendo atingidos e o preço deste submercado fica diferente aos demais. A expectativa de elevação das afluências no Sudeste, causada pela presença do fenômeno meteorológico ZCAS (Zonas de Convergência do Atlântico Sul), reduz o recebimento de energia pelo Sul e o envio de energia do Sudeste para o Norte, de forma que os limites de intercâmbio entre estes submercados deixam de ser atingidos, resultando na equalização dos preços.

Os níveis de armazenamento esperados para os reservatórios do SIN ficaram cerca de 3.950 MWmédios acima do esperado com elevação registrada em todos os submercados, especialmente no Sudeste. A elevação, possível em função do aumento nas afluências, foi de 3.050 MWmédios no Sudeste, 200 MWmédios no Sul, 260 MWmédios no Nordeste e 440 MWmédios no Norte.

Já a carga de energia do SIN prevista para a quarta semana do mês sofreu elevação de 400 MWmédios frente à semana anterior. O aumento foi concentrado no Sudeste (+700 MWmédios) e no Sul (+300), sendo compensado por uma redução no Nordeste (-600 MWmédios). A carga prevista para o Norte não sofreu alterações.

O fator de ajuste do MRE esperado para janeiro é de 79,6% e os Encargos de Serviços do Sistema (ESS) estimados em R$ 968 milhões, sendo R$ 854 milhões referentes à segurança energética.

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

X